SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Segurança é reforçada nas provas do Enem

Governo e Polícia Militar aumentarão o efetivo para resguardar os locais em que o exame será aplicado no DF. Mais de 8 mil alunos farão a prova em dezembro devido às ocupações

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/11/2016 08:24 / atualizado em 05/11/2016 12:14

Jhonatan Vieira/Esp. CB/D.A Press

 

O adiamento da aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nas instituições de ensino ocupadas afetará cerca de 8,4 mil estudantes no Distrito Federal. Ao todo, são 167,8 mil inscritos na capital. Das 216 unidades nas quais ocorreriam as provas, 10 não poderão mais sediar o exame neste fim de semana, por determinação do Ministério da Educação (MEC). Para garantir a segurança durante a aplicação do exame, o GDF reforçou o efetivo: 215 policiais militares estarão divididos entre 206 centros de ensino por dia e a Secretaria de Segurança instalará o Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR).

Leia mais notícias em Cidades

A Polícia Militar liberou, nesta semana, por meio de ordens judiciais e negociações com estudantes, quatro das 10 instituições de ensino que receberiam alunos para a aplicação do Enem, mas seguem ocupados os Pavilhões Anísio Teixeira e João Calmon, além do Bloco de Salas da Ala Sul (BSA), todos no câmpus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB) (Leia mais na página 20). Também estão tomados o câmpus de Planaltina da UnB e os de Samambaia e Riacho Fundo do Instituto Federal de Brasília (IFB).

As ocupações fazem parte do movimento nacional de estudantes contrários à reforma do ensino médio e à Proposta de Emenda à Constituição que limita os gastos públicos durante os próximos 20 anos, a PEC 55, antiga PEC 241. Nos centros de ensino liberados entre 1º de novembro e ontem, no entanto, não ocorrerão as provas. Segundo o MEC, o adiamento foi necessário para garantir a segurança do exame. “Exige um plano logístico complexo de distribuição do material de aplicação, com rotas predefinidas, escoltas policiais e efetivo policial destacado para a operação”, informou a pasta.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) orienta os inscritos no Enem que não tenham recebido quaisquer comunicados oficiais informando a transferência da data da prova para 3 e 4 de dezembro a comparecerem, normalmente, aos locais de aplicação de prova sinalizados no Cartão de Confirmação. Se o candidato chegar à unidade designada e ela estiver ocupada, ele não poderá fazer a prova e terá de aguardar até o próximo mês. De acordo com o instituto, haverá coordenadores do Consórcio Aplicador do Exame para passar as orientações necessárias.

A estudante do 3º ano do ensino médio Carolina Chaer, 17 anos, faria a prova na UnB neste fim de semana. Ontem, no entanto, recebeu mensagem do Inep informando que a aplicação no local foi cancelada. “Eu estava com medo de isso acontecer e agora está confirmado. Essa mudança me prejudicou muito, porque a diferença do Enem para o PAS (Programa de Avaliação Seriada da UnB) será de uma semana, e são provas diferentes, que exigem estudos diferentes”, defende Carolina. A terceira etapa do PAS será em 27 de novembro. Carolina disse que procurou ajuda dos professores para montar outra estratégia de estudo. “Desde maio venho me preparando para o Enem e estou muito chateada”, lamenta.

 

Desocupação

O movimento de ocupações nas escolas do Distrito Federal durou 16 dias. A liberação da última escola, o Centro de Ensino Médio 2 do Gama, ocorreu na tarde de ontem. Cerca de 32 estudantes estavam na unidade de ensino e concordaram em sair pacificamente, após apresentação do documento de reintegração de posse. Segundo a Secretaria de Educação do DF, 17.218 alunos estudam nos colégios que tiveram as aulas paralisadas durante esse período.

Para garantir a segurança da aplicação do Enem neste fim de semana, o Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR) será instalado pela Secretaria de Segurança. As operações começam às 7h, com o transporte dos malotes com as provas que serão escoltados pela Polícia Militar do ponto de distribuição dos Correios até os locais de aplicação. O CICCR seguirá funcionando até 1h de amanhã ou até o término das provas, que, hoje, têm horário especial para atender aos estudantes que, por motivo religioso, não podem iniciá-las antes das 18h. A Polícia Militar alocará, ainda, 215 oficiais, distribuídos entre os 206 locais de aplicação de prova, além do efetivo normal nas ruas. Trinta e três viaturas da PM realizarão o patrulhamento nos locais próximos às instituições de ensino.

Foco e relaxamento

 

A poucas horas do Enem, a ordem é relaxar. Assistir a filmes, a seriados e praticar atividades que relaxem a mente podem ajudar o candidato na hora da prova. Os momentos finais pedem calma, mas sem esquecer os conselhos básicos: conferir documentação, ter uma alimentação leve, evitar atrasos e ter uma noite tranquila de sono para a prova do dia seguinte.

Quem ainda não conhece o local da prova deve sair com, pelo menos, duas horas de antecedência. De acordo com Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans), haverá reforço de ônibus nas linhas que atendem aos locais de prova. Mesmo que o candidato vá de carro, é aconselhável chegar na hora da abertura dos portões, às 12h.

“Todos os anos, acompanhamos várias reportagens com alunos correndo para conseguir chegar no horário e muitos desesperados porque perderam a prova”, comenta o gerente pedagógico da plataforma on-line Descomplica, Claúdio Hensen. Além disso, quem chega mais cedo tem a oportunidade de escolher onde vai se sentar, conforme lembra o especialista.

A estudante Letícia Araújo, 18 anos, vai sair duas horas antes. “Quando eu fiz a inscrição, morava em Águas Claras e não consegui trocar o local de prova. Já que vou fazer o exame longe de casa, vou sair bem antes para evitar qualquer tipo de problema”, diz.  Ela quer cursar arquitetura e urbanismo na Universidade de Brasília (UnB). Para conquistar a tão sonhada vaga, prepara-se para o exame desde o segundo semestre do ano passado e optou por reduzir o ritmo de estudos na última semana.

Como o exame é a porta de entrada para instituições federais de ensino superior, evitar o nervosismo e a ansiedade é praticamente impossível, mas dá para driblar a aflição. “Normalmente, o início da prova é o momento que o candidato está mais agitado. Para não perder o foco, é bom começar pela disciplina que tem mais facilidade. Se o estresse surgir no meio da prova, ele pode pedir para ir ao banheiro, lavar o rosto, fazer alongamento e beber água”, comenta Cláudio Hensen.

Com relação à alimentação, ele afirma que não é necessário mudar a dieta, basta escolher os alimentos com que já está habituado, evitando os mais gordurosos. “Alimente-se bem e sem exageros, afinal, é permitido levar lanches. Não se esqueça de levar água, chocolate ou outro doce de preferência”, acrescenta.
 

Colaboraram Pedro Grigori e Alessandra Modzeleski

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.