SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Megaestrutura da Olimpíada do Conhecimento recebe 18 mil pessoas no 1º dia

Local simula um ambiente urbano, com casas e comércio; competidores precisam encontrar soluções sustentáveis e eficientes em desafios de sete áreas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2016 06:00 / atualizado em 11/11/2016 00:33

Minervino Junior/CB/D.A Press


É impossível passar pelo Eixo Monumental e não perceber a megaestrutura montada para receber a 9ª edição da Olimpíada do Conhecimento, no estacionamento do Ginásio Nilson Nelson. A programação do torneio de educação profissional começou nessa quinta-feira (10/11) e 18.850 pessoas  compareceram. A expectativa do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que organiza o evento, é que mais de 100 mil visitantes passem por lá até domingo, último dia da disputa, que é pré-requisito para a 44ª Olimpíada Mundial de Profissões Técnicas (WorldSkills).

 

 


Foi montada uma verdadeira cidade para receber os visitantes, com uma mostra logo na entrada. O espaço reúne tecnologia, inovação e sustentabilidade, características encontradas em todos os projetos expostos. Um deles é a primeira impressora 3D do Senai, construída a partir do equipamento usado comercialmente. Edson Pires, 51 anos, e Flávio Freitas, 33, são os engenheiros responsáveis pela invenção, do Senai de Minas Gerais. Segundo Edson, a ferramenta barateia a produção de itens usados na indústria. “A impressora torna possível produzir uma peça em tamanho real. Recebemos pedidos da indústria de ferramentas, que, em geral, não são baratas. A impressora barateia o processo, pois o que custaria entre R$ 10 e R$ 20 consegue entrar na casa dos centavos”, disse. Além da redução dos custos, a impressora permite o uso de materiais sustentáveis na produção.

 
 

A preocupação com a sustentabilidade se estende à área de construção e edificação do evento — são sete no total. Nesse espaço, ocorrerá, hoje, o desafio da casa popular inteligente. Sete residências inacabadas servirão de base para as equipes proporem soluções de montagem de um ambiente que atenda aos pilares da olimpíada. A modalidade terá a participação de um grupo do Distrito Federal. Oito estudantes das áreas de instalações hidráulicas e de aquecimento, de instalações elétricas prediais, de movelaria, de construção em alvenaria e de aplicação de revestimento cerâmicos representarão a capital federal.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade