SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Campanha incentiva retorno de animais de cativeiro para habitat natural

Ibama promove campanha para incentivar quem encontra ou tem animais silvestres em casa a entregá-los ao centro de triagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/11/2016 08:00

 
Natural da Bahia, a macaca sagui Baianinha era criada como um animal de estimação no estado onde nasceu. No início deste ano, foi resgatada e encaminhada ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Distrito Federal. Por conta da criação, não poderá retornar para a natureza. A macaca viverá em zoológicos ou em criadouros autorizados. O exemplo de baianinha reforça o alerta do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama): animais silvestres não podem ser criados como pets. Quem tem esse tipo de bicho sem permissão deve entregá-los no Cetas ou entrar em contato com o Batalhão de Polícia Militar Ambiental. Não há penalizações para quem se apresenta espontaneamente.
 
Fotos: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 
O Cetas é a unidade responsável pelo manejo dos animais silvestres que são recebidos de ação fiscalizatória, resgate ou entrega voluntária de criadores autorizados ou não. No local, os mais diversos bichos recebem tratamento. Assim que algum novo morador chega, ele é atendido e avaliado. Dependendo das condições, pode voltar imediatamente à natureza. Entretanto, na maioria dos casos, os filhotes e os animais que viveram muito tempo em cativeiro apresentam maiores dificuldades em voltar ao seu hábitat e, em alguns casos, não é possível a reabilitação.

Segundo a residente de veterinária do Hospital Veterinário da Universidade de Brasília (HVET/UnB) Raquel Meneses, criar um animal silvestre não é tão simples como cuidar de um gato ou um cachorro. “Quem encontrar um bicho selvagem deve tomar cuidado. Todos eles podem apresentar algum tipo de perigo. O procedimento correto é entrar em contato com a Polícia Militar”, explica. A profissional ainda reforça que os animais não devem ser deixados no hospital veterinário. “A primeira etapa de avaliação é feita no Cetas. Logo após, eles são encaminhados para os devidos locais”, ressalta.
 
A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade