Clube de falcoeiros usa aves para difundir a educação ambiental

Encontro, na manhã de ontem, atraiu os moradores do Lago Sul

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/11/2016 06:03 / atualizado em 21/11/2016 12:21

Hugo Gonçalves/Esp. CB/D.A Press

A pequena quiriquiri Ventania foi a primeira a chegar para o encontro. A ave foi levada ao Gilberto Salomão por seus donos, o casal de médicos veterinários Esley Silva, 33 anos, e Fabiano Rubem, 35. Ventania aguardava tranquila em um poleiro enquanto os outros participantes do encontro de falcoaria, que ocorreu na manhã de ontem, chegavam. Ela e as outras aves de rapina presentes no evento estavam ali para ajudar a divulgar a atividade no Distrito Federal e promover a educação ambiental.

A presença do falcão-americano fêmea atraiu alguns curiosos. Em seguida, chegou o quiriquiri Highlander, o namorado de Ventania. Seu dono, o biólogo Rafael Lara, 36, se juntou aos amigos falcoeiros. As pessoas que já começavam a se aglomerar para ver o casal de aves encheram os olhos com a chegada das aves maiores.

Foi a vez de o público se empolgar ao observar o gavião-asa-de-telha Aquiles abrindo as grandes asas, ansioso pelo momento em que poderia levantar voo. O estudante Rodolfo Rodrigues Gomes de Moura, 33, proprietário do gavião, explicou que a ave é totalmente treinada e costuma voar livremente no Parque Águas Claras, perto de onde mora.
O pequeno Enzo Magalhães, 2 anos, não conseguia parar de olhar para Aquiles e repetia animado: “Ah! lá o gavião. Ah! lá”. A irmã mais nova, Isabela Magalhães, cinco meses, seguia a ave com olhos. Os irmãos adoraram ver a chegada dos outros pássaros. A mãe das crianças, Sabrina Magalhães, 32, contou que foi passear com os filhos e se deparou com o evento. “Foi bem por acaso mesmo. Achei muito bacana e diferente, acho que poderiam existir mais coisas assim em Brasília”.

Ao todo, seis aves de rapina participaram da exposição. Além de Ventania, Highlander e Aquiles, o público pôde conhecer a coruja de igreja Maia e o gavião-asa-de-telha fêmea Troia, do design de interiores Álvaro França, 38, e Zeus, o gavião-asa-de-telha do acadêmico de agronomia Yann Amaral Cruz, 21 anos.

A estudante de veterinária Ana Carolina Bueno Medeiros, 20 anos, aproveitou para fotografar todas as aves. Ela foi passear no Gilberto Salomão e encontrou a reunião. “Achei sensacional, está na minha área de interesse e adorei vê-las assim tão de perto”, disse. Acompanhando a neta, a psicóloga Rosarita Bueno, 58 anos, também gostou de ter esse contato com os animais. “É extremamente interessante e qualquer iniciativa relacionada a preservação é muito importante”, completou.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.