SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Justiça determina desocupação da UnB em 48 horas e autoriza uso da força

A decisão foi emitida na manhã desta segunda-feira (21/11). O cumprimento da decisão fica por responsabilidade do reitor ou pela gestão da universidade. A determinação judicial também ressalta a possibilidade do uso de força policial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/11/2016 11:57 / atualizado em 21/11/2016 21:00

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 
O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF) determinou que a Universidade de Brasília (UnB) deve ser desocupada em até 48 horas. A decisão foi emitida na manhã desta segunda-feira (21/11). Por isso, fica proibida qualquer atividade que impeça ou dificulte a regularidade das atividades da instituição.  

 

Em nota, o Ministério Público Federal (MPF) informou que recorrerá da decisão liminar da 4ª Vara da Justiça Federal. Para o MPF, a ação ordinária individual, proposta pelo estudante Edinalton Silva Rodrigues, não é adequada, devido à clara repercussão coletiva. Já com relação à decisão, considera que, da forma como foi emitida, a determinação afasta da discussão processual todos os demais interessados da comunidade acadêmica. 

O MPF também destaca que vêm acompanhando o processo de ocupação da universidade desde 8 de novembro, e que, no momento, aguarda a definição do reitor para convocar uma reunião pública para que os fatos sejam discutidos e o desfecho deles preserve os direitos de todos os envolvidos. 

Além disso, o MPF  “entende que a questão é mais complexa do que se depreende da decisão, pois envolve a discussão profunda do direito à manifestação do pensamento por meio dos atos de ocupação tendo em vista o direito à continuidade do serviço público”. 
 
Luis Nova/Esp.CB/D.A Press
 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
ANDRE
ANDRE - 22 de Novembro às 09:08
Esse ministério público... que decepção... em vez de defender o direito dos que querem estudar, quer defender a ocupação...e nós cidadãos é que pagamos os salários desse pessoal... Meu Deus....
 
ARTUR
ARTUR - 22 de Novembro às 07:23
Manifestação impedindo o direito à continuidade do direito dos estudantes universitários...porque não vão para a porta do Congresso Nacional, em vez de prejudicar vários alunos da Instituição?
 
Leonardo
Leonardo - 21 de Novembro às 23:53
Marionetes uteis !
 
oclecio
oclecio - 21 de Novembro às 14:18
Essa medida veio um pouco tarde, como 3% de alunos podem impedir que 97% dos alunos querem estudar? Esses maconheiros de primeiro grau não podem prosperar. Muda Brasil, País da Corrupção e da Violência.

publicidade