SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Mestre Woo é homenageado na CLDF po rensinar tai chi being tao na Asa Norte

Médico, acupunturista, professor de artes marciais, monge, poeta e arquiteto, Woo é reconhecido por trabalho desenvolvido gratuitamente na Praça da Harmonia Universal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press.


“Quarenta e dois anos não são 42 dias”, resume o grão-mestre Moo Shong Woo, aos 85 anos. Com um português recheado de sotaque e uma entonação cheia de tranquilidade, Mestre Woo se diz honrado com a homenagem que vai receber na próxima segunda-feira, na Câmara Legislativa, pelo legado que construiu na Entrequadra 104/105 da Asa Norte — a Praça da Harmonia Universal (PHU) — e toda a história do tai chi being tao em Brasília. De volta no tempo, ele conta que foi a energia daquela superquadra que o cativou. “Senti uma vibração boa”, relembra.

Mestre Woo chegou a Brasília em 1968, morou alguns anos em Taguatinga, mas logo se rendeu ao projeto urbanístico de Lucio Costa. “À ideia de as pessoas aproveitarem a superquadra, descerem, se encontrarem, esse movimento de fraternidade”, comenta. As distâncias e as árvores da capital também encantam o chinês, radicado brasileiro e brasiliense de coração. “É bom para o nosso interior, para sentirmos a paz”, afirma. “Tenho saudade da minha terra. Mas Brasília é o melhor lugar da vida. Um paraíso. Todas as cidades deveriam copiá-la”, acrescenta.

Quando ainda morava e estudava medicina nos Estados Unidos, Mestre Woo ouviu falar da inauguração da nova capital do Brasil. Para ele, um sinônimo de esperança. “O presidente Juscelino Kubitschek tinha uma vibração tão boa”, recorda. “Sentia que tinha que ir com a nova capital.” Em uma terra onde via constantemente cenas de racismo, o país tropical e tão diversificado era o ideal. “O Brasil é uma mistura de todas as raças, e o coração de Deus não tem cor”, argumenta. A mesma filosofia, Mestre Woo coloca em prática na Praça da Harmonia Universal. Ali, todas as cores, todas as religiões, todas as etnias, todas as idades e todas as classes sociais estão convidadas a compartilhar experiências e encontrar a saúde para a mente, o corpo e o espírito.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui. 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Juliano
Juliano - 23 de Novembro às 10:35
Mestre Woo é bondade no coração, mostra sempre o caminho de harmonia com o todo a nossa volta, em usar os recursos naturais em prol de todos, não para acabar e sim para compartilhar. O Legado do Mestre é muito importante para a comunidade brasiliense que tem uma pérola que deve ser muito bem cuidada, não em uma redoma mas sim para que todos possam tocar e compartilhar. Juliano Pires

publicidade