Polícia prende estudantes que mantinham plantação de maconha na UnB

Três alunos da UnB foram flagrados na plantação e em seus celulares havia fotos do crescimento da maconha. Eles foram enquadrados por tráfico privilegiado e cultivo para consumo próprio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/04/2017 08:37 / atualizado em 20/04/2017 12:03

PCDF/Divulgação
 
A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) anunciou nesta quinta-feira (20/4) que localizou uma plantação de maconha dentro da Universidade de Brasília (UnB). A descoberta, ocorrida na quarta-feira, resultou na apreensão dos estudantes Décio Bottechia Netto, 21 anos; Gabriel Campos dos Reis, 29; e Guilherme de Mendonça Luz, 22. Os três assumiram a responsabilidade pela plantação e foram liberados ainda na quarta.

 

A droga estava sendo cultivada em uma região de cerrado dentro da área que pertence à universidade. De acordo com as investigações, os jovens cultivavam a erva para consumo próprio e se revezavam na manutenção.

 

Os policiais chegaram à plantação por intermédio de uma colaboração anônima e lá encontraram os jovens. Nos celulares deles, foram encontradas imagens do crescimento das mudas. Com eles, os policiais também encontraram tesoura para poda, garrafas pet cheias de água, adubo, veneno para formiga.

 

Foram apreendidas ainda pequenas porções da erva já embaladas. Era cultivas no local duas espécies da planta: a sativa, que é mais comum, e a skank, que tem maior concentração de THC, o princípio ativo da maconha.


Tráfico privilegiado e cultivo

 

Os alunos foram enquadrados por tráfico privilegiado (quando se forma uma rede pessoas para o consumo entre elas, sem objetivo de comercialização) e cultivo para consumo próprio. As penas podem variar de sete meses a um ano e oito meses de detenção. Mas a polícia vai periciar os celulares para ver se o grupo também traficava.

 

De acordo com a polícia, Gabriel Campos é o único que já possui passagem pela polícia, por posse de droga. Já Guilherme estaria prestando concurso para oficial do Corpo de Bombeiros.

 

Segundo o delegado Rodrigo Bonach, da Coordenação de Repressão às Drogas (Cord), a postura da universidade está sendo de colaboração com as investigações. O delegado informou ainda que, a pedido do Ministério Público, a Cord mantém em andamento uma investigação para apurar o tráfico e o consumo abusivo de drogas nas dependências da UnB. O inquérito foi instaurado por conta das ocorrências relacionadas registradas no câmpus em 2016. "O ambiente educacional é um local inadequado para o consumo e principalmente para o cultivo e produção de drogas", afirmou.

 
*Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Ângelo
Ângelo - 26 de Abril às 18:52
A guerra às drogas é produto do delírio da mente de pessoas como Harry Jacob Anslinger.
 
Wilson
Wilson - 20 de Abril às 11:36
É que tem muito consumidor que anda por lá diariamente. Dúvidas vá numa festa da UNB.
 
Sérgio
Sérgio - 20 de Abril às 10:28
Quero é novidade! muitos dessa UnB querem PMs fazendo rondas mas não querem os PMs perturbando para fumarem MACONHA e cheirar o PÓZINHO DO CAPETA. Vergonha NACIONAL! Veja se há alguma outra universidade que estampe tanto as capas dos jornais como a UnB quando o assunto é ENTORPECENTES?