Mulher que teve 50% do corpo queimado pelo marido continua internada no DF

O crime ocorreu no bairro Jardim Ipanema, em Valparaíso. Catarino José de Souza Neto foi preso em flagrante pelas autoridades locais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/08/2017 13:33 / atualizado em 03/08/2017 19:32

Carlos Vieira/CB/D.A Press
 
 
Após ter 50% do corpo queimado pelo marido, Elaine Sousa dos Santos, 35 anos, segue internada no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), em estado grave. Acusado de ter cometido o crime, Catarino José de Sousa Neto, 39, foi preso em flagrante, na noite do último domingo (30/7), por volta das 20h, no Bairro Jardim Ipanema, em Valparaíso (GO), pela Polícia Militar. 
 
 
Segundo informações da Polícia Civil de Goiás, o casal havia ingerido bebida alcoólica e começado uma discussão. Foi então que Catarino jogou álcool e depois ateou fogo na vítima, que ficou agonizando na cama até que a corporação chegasse ao local. O suspeito foi encontrado em um bar na esquina de casa, onde pediu ajuda e alegou não ser o responsável pelo crime. Ele foi algemado e levado para a 2ª Delegacia de Polícia de Valparaíso, que cuida do caso. 

Elaine foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada à Unidade de Pronto Atendimento de Valparaíso. Contudo, devido à gravidade das lesões, foi transferida para o Hran. Após cinco dias de internação, o quadro dela ainda é grave. Ela recebeu curativos e desbridamentos, procedimento que tira a pele necrótica do corpo. 

A Polícia Civil informou que o suspeito não tinha passagem pela polícia e a vítima nunca havia registrado um boletim de ocorrência contra o marido.   

Procurada pelo Correio, a Secretaria de Saúde afirmou, em nota, que não pode divulgar informações sobre o estado de saúde de Elaine. No texto, a pasta informou que "cumpre diversas determinações de órgãos externos e, amparada por lei, não pode fornecer estado de saúde ou informações de pacientes internados, exceto casos de grande comoção e que não envolvam vítimas de crimes ou investigação policial".
 
Um vizinho do casal, que preferiu não ter a identidade divulgada, disse que eles haviam se mudado havia pouco tempo para o bairro. De acordo com ele, embora nunca tivesse tido contato direto com Catarino, o suspeito não aparentava ser alguém violento. No entanto, ambos costumavam beber muito.  "Depois que eu vi as imagens da mulher dele queimada, eu fiquei em choque. Todos nós do bairro estamos muito assustados", lamentou. 
 
Duas vizinhas alegam que Catarino era muito ciumento e não gostava que a vítima falasse com outros homens. Além disso, uma delas conta que a família de Elaine já sabia de um histórico de violência contra a vítima. Uma sobrinha teria afirmado que não ficou surpresa com o crime e que "não foi falta de aviso". 
 
Nas redes sociais, amigos e vizinhos do casal comentaram o crime. "Eu nunca gostei desse cara mesmo, homem nojento. Melhoras Lili! Fé em Deus que você vai sair dessa!", escreveu uma amiga. "Só Jesus na causa. Coitada da Lili...", publicou outra.

Outro caso 

Recentemente, moradores do Distrito Federal se assustaram com outra tentativa cruel de feminicídio. Em 29 de maio, Samara Oliveira Felipe, 23 anos, se jogou do quarto andar do prédio onde morava para fugir das agressões do marido, Thiago Dantas, 30 anos. A queda causou um grave ferimento na coluna. Samara foi operada no Hospital Regional do Paranoá, um dias após o crime. Ela teve de implantar nove pinos.

Samara dormia enquanto Thiago assistia a vídeos pornográficos na internet. Em um dos filmes, segundo a investigação, o homem pensou que ela participava da cena. Ele então começou a agredi-la com tapas e socos. Num suposto ataque de fúria, Thiago teria pegado uma faca para matá-la. Foi quando Samara se jogou do apartamento. 

Estatísticas

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, em 2016, foram registrados 19 feminicídios e 17 tentativas em todo o Distrito Federal. Números do Mapa da Violência de 2015 mostram que o Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo. Ocorrem 4,8 crimes para cada grupo de 100 mil mulheres. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.