Professor de dança infectado por bactéria luta por acesso a UTI

Jovem de 25 anos está internado no box de emergência do Hospital Regional da Asa Norte

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/08/2017 16:06

Mesmo com decisão judicial determinando a internação do professor de dança Willian Amaral, de 25 anos, em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), ele permanece no box de emergência do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Willian foi internado há seis dias, com dores abdominais e dificuldades de respiração. Os médicos descobriram o acúmulo de líquido na vesícula e prepararam o paciente para cirurgia.


No entanto, nesta semana, novos exames apontaram uma infecção bacteriana, que compromete órgãos como coração e pulmão. Por conta disso, os médicos pediram que o professor fosse internado em uma UTI para estabilizar o quadro de saúde. Mas, familiares e amigos do paciente foram informados que a rede pública de saúde não tem um leito disponível.
O amigo dele, Paulo Henrique Oliveira, 24, está acompanhando a situação desde o começo e reclama do descaso da rede pública de saúde. "Ele não chegou a fazer a cirurgia por conta da bactéria. Como ele não estava com essa infecção no começo, achamos que a bactéria pode ter se instalado durante internação no Hran. Agora ele precisa de uma UTI, pois o estado de saúde é gravíssimo", conta. 

Além de dar aulas de dança em academias de Planaltina-DF, Willian trabalha como auxiliar de serviços gerais do Centro Educacional 03 de Planaltina (CED 03). De acordo com relatos da equipe médica, ele estava na unidade de ensino quando começou a se sentir mal.

A determinação da juíza Raquel Mundim, do plantão judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT), a internação deve ocorrer em até 48 horas, em uma UTI da rede pública ou em hospital privado, custeado pelo Governo de Brasília. Em nota, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal afirma que está em busca de um leito para o paciente. De acordo com a secretaria, a transferência vai ocorrer assim que surgir uma vaga na rede pública ou em um hospital conveniado com o governo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
felipe
felipe - 03 de Agosto às 17:24
Conheço essa pessoa, estudamos juntos no ensino média. Realmente quando se vê esse tipo de situação com pessoas de bem, não a diferente de revolta, com o descaso que passamos neste pais.