Polícia prende mulher que aplicava golpes em idosos

Em um dos casos, a vítima, de 80 anos, teve prejuízo de mais de R$ 20 mil. Segundo a Polícia Civil, Ana aplicou pelo menos 22 golpes de estelionato no DF

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/08/2017 11:43 / atualizado em 08/08/2017 00:12

Ingrid Soares/Esp. CB/D.A. Press


A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu uma mulher de 50 anos acusada de aplicar golpes em idosos. Ela foi presa na tarde de domingo (6/8) pela equipe de Coordenação de Crimes Contra o Consumidor, a Ordem Tributária e a Fraudes (CORF). Segundo a corporação, a autora do crime estava na própria casa, no Riacho Fundo 1. 
 
 
De acordo com as investigações, Ana Régia Monteiro de Souza escolhia as vítimas em anúncios veiculados em jornais de grande circulação e ofereceria serviços de cuidadora de idosos e de empregada doméstica. Após obter a confiança das vítimas, a criminosa roubava documentos pessoais, abria contas, solicitava cartões adicionais e praticava inúmeros golpes. 

Em um dos casos, a vítima, de 80 anos, teve prejuízo de mais de R$ 20 mil. Segundo a Polícia Civil, Ana aplicou pelo menos 22 golpes de estelionato em idosos no DF. Neste ano foram ao menos três, dois no Lago Sul e um no Guará. Ana Régia já havia sido condenada a 1 ano e 8 meses de prisão. Ela respondia por estelionato em regime aberto, mas não se apresentou ao sistema e estava foragida. O último emprego da mulher de que se tem notícia foi em abril. Dois pedidos de prisão no nome dela estavam em aberto. 
 
Durante a operação, também foi cumprido mandado de busca e apreensão na residência da acusada. No local, foram apreendidos vários documentos falsos e cartões magnéticos roubados das vítimas. A CORF cumpriu dois mandados de prisão expedidos pela Vara de Execuções Penais contra a Mulher. 
 
PMDF/Divulgação

 

Outro caso

 
Em maio deste ano, uma técnica de enfermagem foi investigada pela PCDF por suspeita de ter gastado, aproximadamente, R$ 364 mil no cartão de uma paciente sem autorização. A mulher de 34 anos era funcionária de uma empregsa que prestava serviços de "home care" e cuidava de uma idosa de 74 anos em um prédio, na região de Águas Claras.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.