Grupo cerca carro da PC, rende policiais e liberta dois suspeitos detidos

A gentes teriam sido atacados com pedras e paus. Três suspeitos foram recapturados em operação com cerca de 100 homens

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/08/2017 23:13 / atualizado em 15/08/2017 10:28

Luis Nova/Esp. CB/D.A. Press

Agentes da Polícia Civil do Distrito Federal foram atacados por um grupo de moradores no Recanto das Emas no momento em que prenderam dois suspeitos de roubar um veículo. O palco para a caçada típica de um filme de ação foi a Favelinha, como é conhecido o local apontado como perigoso por conta do tráfico de drogas. 

 

Leia mais notícias em Cidades

 

Tudo começou com o roubo de um veículo em Ceilândia, na noite de segunda-feira (14/8). Agentes da 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas) foram informados de que três suspeitos circulavam pela Quadra 406. Houve perseguição e os acusados bateram o veículo. Um deles fugiu e os policiais civis conseguiram algemar e prender os outros dois. Segundo o delegado Pablo Aguiar, titular da 27ª  Delegacia da Polícia (Recanto das Emas), no momento em que colocavam os suspeitos no camburão, os agentes foram surpreendidos por moradores, que os atacaram com  paus e pedras e libertaram os homens, que fugiram mesmo algemados.

Megaoperação

 

Imediatamente, foi montada uma mega operação para localizar os suspeitos. Agentes e escrivães de várias delegacias, além de uma equipe da cavalaria da Polícia Militar fizeram um cerco na Favelinha. Cerca de 100 policiais participaram da ação. A equipe do Correio Braziliense acompanhou a caçada aos suspeitos.

 

Com ajuda do helicóptero da Polícia Civil, o primeiro suspeito, um adolescente de 12 anos, foi localizado sobre o telhado de uma das casas. Os agentes precisaram usar uma escada para tirá-lo de dentro da calha, onde estava escondido. Durante a apreensão, moradores tentaram, novamente, evitar a ação policial. Para conter a multidão, a polícia usou spray de pimenta. O menor foi levado para a Delegacia da Criança e do Adolescente II (DCA 2), em Taguatinga. 

 

Momentos depois, mais dois homens foram detidos na quadra ao lado de onde o menor foi apreendido. Durante o interrogatório, um dos suspeitos relatou sobre um esconderijo na Quadra 405 do Recanto das Emas. Equipes policias foram até o local, mas a casa estava vazia.  

 

Ação inesperada

 

Segundo o delegado Pablo Aguiar, a ação dos moradores foi inesperada. "Chama atenção a forma com que a Polícia Civil foi recebida pelos moradores. Os agentes estavam cumprindo o seu dever e foram atacados com pedras pela comunidade", desabafa. Aguiar destacou a iniciativa de polícias que estavam de folga e se disponibilizaram para integrar a equipe de buscas. "Quero agradecer a todos os irmãos policiais que colaboraram com a ocorrência", afirma. 

 

Mais detalhes sobre o caso serão repassados pelo delegado Pablo Aguiar em uma coletiva de imprensa no fim da manhã desta terça-feira (15/8). 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
EDUARDO
EDUARDO - 15 de Agosto às 13:52
inversão de valores
 
zildo
zildo - 15 de Agosto às 13:37
Recanto das Emas, cidade sem lei...
 
Rubervan
Rubervan - 15 de Agosto às 13:08
Se eu fosse o GDF não comprava mais armas pra polícia, eles não usam mesmo, vem cá os caras são atacados com paus e pedras e não fazem nada, brincadeira. queria ver esse bando de vagabundo fazerem isso com os canas dos anos 70/80, iam tomar tanto chumbo, só rindo mesmo, os policiais de hoje (vulgo Nutellas) estão mais prá monges budistas, acho até que na hora do pega prá capar, devem ter se escondido embaixo da viatura e chamado pela mamãe ou avó, que saudades do policiais de verdade, por isso que sempre falo sou mais 30 policiais do anos 70/80 (JEB) do que 1000 dos de hoje.
 
Luiz
Luiz - 15 de Agosto às 12:11
Parabéns a todos os policiais envolvidos diretamente e indiretamente nesta operação. Deixaram bem claro para a população que os policias de Brasília não deixarão de cumprir o seu dever.