Traficante que se entregou à PM com bíblia na mão tem audiência hoje

No guarda roupa do acusado, foram encontradas cinco quilos de maconha para uso próprio e revenda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/08/2017 08:52 / atualizado em 22/08/2017 08:53

PMDF/Divulgação
 
Depois de comprar R$ 2,5 mil de maconha, um homem procurou a polícia para se entregar. O caso ocorreu na CL 106 de Santa Maria, às 13h20 desta segunda-feira (21/8), quando o rapaz de 28 anos procurou uma equipe do batalhão da Polícia Militar, que fazia ponto no local, para confessar que guardava a droga em casa. Ele levava uma bíblia na mão. 
 

Chegando na residência do suspeito, os agentes encontraram em cima do guarda-roupa dois tabletes de maconha, pesando aproximadamente cinco quilos. Arrependido, o homem disse que a substância seria tanto para consumo pessoal como para revenda. Além disso, foi encontrado um dichavador e uma balança de precisão. Com a confirmação da auto denúncia, os policiais deram voz de prisão em flagrante. 

Pecado e penitência

Segundo o suspeito, ele havia comprado a droga no Pedregal há cinco dias e pretendia revendê-la, porém se arrependeu e resolveu se entregar. De acordo com o relato de um dos policiais que acompanha o caso, o suspeito — com uma bíblia na mão — abordou os PMs dizendo que se converteu à religiosidade e, por isso, não queria mais o produto. “Parecia um pouco perturbado, apresentou sinais de euforia”, descreveu o policial. Na delegacia, o acusado permaneceu com o livro sagrado.

Na audiência de custódia, que deve ocorrer nesta terça-feira (22), o juiz verificará a legalidade da prisão. Desse modo, o magistrado vai analisar se há condições do sujeito aguardar a resolução do processo em liberdade. O envolvido foi encaminhado à 20ª Delegacia de Polícia (Gama) e autuado por tráfico de drogas. Ele já possui passagem pela lei Maria da Penha, mas como este delito ainda caminha na justiça, o homem é considerado réu primário.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.