Falta de chuvas provocou ao menos três incêndios ao longo da semana no DF

Setembro teve umidade miníma registrada em 20% e o tempo deve continuar seco até o fim do mês

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/09/2017 08:00

Breno Fortes/CB/D.A Press


O período de estiagem, a seca e o calor já são características comuns do Distrito Federal. Mesmo sendo um evento natural que ocorre em todos os anos, as queimadas ainda assustam e trazem uma certa insegurança para quem mora em áreas com maiores chances de incêndios.
 

Na manhã de ontem, foi registrado um incêndio próximo a uma área florestal, localizada no Riacho Fundo I. Apesar da gravidade, o Capitão Ronaldo Reis, do Corpo de Bombeiros Militar do DF, garante que não há riscos para a população que mora perto, mas é importante manter a atenção no trânsito.

No período da tarde, dois focos de incêndio foram combatidos. O primeiro aconteceu no Incra 6, próximo ao local da Festa do Morango. O Corpo de Bombeiros controlou o incêndio e impediu que o fogo se alastrasse. Outro foco surgiu no Parque Ecológico do Guará, próximo ao ParkShopping. Duas viaturas e dez militares trabalharam no local para controlar as chamas e apagar o fogo.

O capitão Reis alertou que, mesmo com o período de estiagem e as altas temperaturas registradas nos últimos meses, 95% dos incêndios registrados pelo CBM durante o período têm como causa principal a ação humana.

De acordo com as planilhas de registro de ocorrências de incêndios do CBM de anos anteriores, o número de queimadas cresceu este ano. Se comparado com o mesmo período de 2016, houve um aumento de mais de 100% no número de ocorrências de focos que foram combatidos. Os números são alarmantes e servem de alerta para a população. Em agosto de 2016, foram registrados 1.528 casos. Em 2017, no mesmo período as ocorrências saltaram para 2.593 casos.

O calor continua

As altas temperaturas do mês de setembro vêm deixando o brasiliense em alerta e as possibilidades de chuva para os próximos dias são remotas. Segundo o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Luiz Cavalcante, é possível que o período de estiagem seja interrompido no fim de setembro, mas essa não é uma certeza.

No início do mês, o Inmet registrou um de seus menores índices de umidade. No último dia 5, atingiu os 20%. O menor registro do ano, no entanto, ocorreu em 2 de agosto, com 10% de umidade. Com os índices baixos, é importante ficar atento ao risco à saúde trazido pela seca. O período de estiagem já alcançou a marca de 110 dias.

Índices da OMS


Umidade relativa do ar

Estado de atenção 
30% a 20%

Estado de alerta 
20% a 12%

Estado de emergência
Abaixo de 12%
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.