PM é condenado a 17 anos de prisão pelo estupro da enteada adolescente

O crime aconteceu entre 2014 e 2015. Ele foi preso em casa, na manhã deste sábado. Cabe recurso da decisão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/09/2017 12:31 / atualizado em 10/09/2017 10:44

Um capitão da Polícia Militar foi preso na manhã deste sábado (9/9). Ele era lotado no quartel central da PMDF e foi condenado em primeira instância a 17 anos e três meses de prisão em regime fechado por ter estuprado a enteada, à época com 13 anos. O acusado foi detido em casa, por agentes do Divisão de Operações Especiais (DOE) da Polícia Civil.
 

Na decisão, a juíza do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Taguatinga, Luciana Lopes Rocha, explica que a condenação se deu por “conduta delituosa entre os meses de dezembro de 2014 e junho de 2015”. A sentença, que pedia a prisão preventiva do acusado, foi publicada na sexta-feira (8/9). Após o cumprimento da determinação judicial, ele foi encaminhado ao Departamento de Polícia Especializada na manhã deste sábado (9). 
 
Segundo Antônio Dimitrov, delegado-chefe da Divisão de Capturas e Polícia Interestadual (DCPI), o acusado foi encontrado em casa e não reagiu ao cumprimento do mandado de prisão. “Ele foi apresentado à Corregedoria da PM e será transferido para o presídio da corporação”, explicou. O Correio procurou a defesa do acusado, mas o advogado não quis se manifestar, pois o processo tramita em segredo de Justiça. Ele ainda pode recorrer da decisão.
 
Por meio de nota, a comunicação da Polícia Militar informou que, a corporação instaurou um procedimento investigativo antes da condenação judicial, “em razão da grave acusação contra o policial”. “Uma das sanções impostas poderá ser a perda do cargo público”, informa o texto.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
percio
percio - 10 de Setembro às 20:24
O cara é capitão da PM e pastor evangélico, difícil suspeitar dele. Parabéns à Polícia Civil e a Justiça do DF. Os comandantes da PM querem que os PMs sejam julgado apenas pela Justiça Militar, que pelo histórico corporativista esse capitão estaria livre.