Homem é preso por extorquir mulheres no DF e por estupro virtual

Na casa do golpista, a polícia encontrou um computador com mais de 10 mil arquivos de vídeos e fotos íntimas de vítimas, que ele usava para chantageá-las. No Distrito Federal, três mulheres e duas adolescentes o denunciaram

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/09/2017 07:01 / atualizado em 11/09/2017 13:11

Um homem de 23 anos se passava por mulher nas redes sociais para aplicar golpes e até estupro virtual contra mulheres. Ao menos cinco delas denunciaram os crimes aqui no DF, mas há indícios de que centenas de vítimas tenham sido feitas em todo o país. Ele foi preso pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), na cidade de Parnamirim (RN). Além de extorsão e estupro virtual, ele é acusado de armazenamento de conteúdo pornográfico de menores e lavagem de dinheiro. 
 

De acordo com a polícia, ele montava perfis falsos como se fosse uma mulher, no intuito de conquistar a amizade delas. Depois que ganhava a confiança da vítima, ele fazia propostas de troca de vídeos e fotos íntimas. Depois que conseguia o material, o criminoso se revela como homem e passava a extorquir as vítimas, além de exigir condutas sexuais das vítimas sob a ameaça de divulgar o material, o que caracterizou o estupro virtual. 

No Distrito Federal, as vítimas que registraram ocorrência são três mulheres e duas adolescentes. A prisão dele em Parnamirim ocorreu durante cumprimento de mandado de busca e apreensão e de prisão temporária na Operação Apáte - espírito da mitologia grega que personificava o engano, o dolo e a fraude. Mais de 10 mil arquivos de vídeos e fotos foram identificados pela polícia no computador do suspeito. Após a prisão, o homem foi trazido para Brasília, onde permanece preso.

Segundo a delegada Sandra Gomes, a investigação deve continuar para identificar mais vítimas, principalmente por conta da grande quantidade de material encontrada com o criminoso, que indica a existência de inúmeras vítimas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.