Celebração de Nossa Senhora Aparecida reúne 80 mil fiéis na Esplanada

A programação começou às 8h, com programação especial para as crianças, e terminou com a procissão, às 20h

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/10/2017 21:30 / atualizado em 12/10/2017 21:57

 

Debaixo de sol forte e suportando altas temperaturas, mais de 80 mil religiosos acompanharam a Santa Missa e a procissão em homenagem a Nossa Senhora Aparecida, nesta quinta-feira (12/10), em Brasília. O ritual marcou o encerramento do Ano Mariano e celebrou os 300 anos da aparição da imagem de Nossa Senhora da Conceição na rede de três pescadores no Rio Paraíba.

 

Leia mais notícias em Cidades 

 

A festa ocorre desde 1998 na Esplanada e, ao lado da celebração de Corpus Christi, é o evento que costuma reunir o maior númro de católicos no centro da capital. Este ano, o público variou entre 50 mil a 80 mil fiéis, batendo o recorde do ano passado, que teve concentração máxima de 70 mil fiéis.

 
Pedido pela paz 

 

O pároco da Catedral e coordenador do evento, padre João Firmino, esperava um grande público, devido ao tricentenário da aparição e, por isso, a arquidiocese planejou algumas novidades para o eevento. "Nós distribuímos lencinhos brancos para todos os fiéis, para pedir pela paz. Esta é a nossa maneira de manifestar, utilizar o local que é palco de tantos protestos, para fazer nossa própria reinvidicação: mais amor, mais paz", declarou. 

 

Para receber o público, as equipes da Polícia Militar do DF foram reforçadas. Ao todo, 100 membros da corporação fizeram a segurança do evento. Até a última atualização desta matéria, não havia relatos de briga ou grave incidente.  

 

Devotos

 

A devoção à santa se tornou tão forte que, em 1904, foi coroada e proclamada a Rainha do Brasil para os católicos. Além de padroeira do país, Aparecida também se tornou a padroeira de Brasília, sendo escolhida ainda na época da construção da capital. Depois de passar por todas as capitais do Brasil, em 1957, candangos trouxeram a imagem da santa, que até hoje está exposta na Catedral de Brasília.

 

Neide Augusta Brum, 62 anos, é moradora do Guará e sempre acompanha a festa de Nossa Senhora Aparecida com a família. Ela conta que a devoção começou há 13 anos, quando descobriu um câncer. "Eu pedi para a Maria Aparecida que ela parasse meu câncer, que não o deixasse se espalhar, apesar de a doença estar bastante avançada na época. Quando fui fazer a cirurgia, o tumor tinha se calcificado e não atingiu outros locais. Ela me atendeu e hoje eu estou curada", disse emocionada. 

 

Histórias como essa são recorrentes entre os devotos: muitos relatam graças atendidas, como cura de doenças e gestações até então impossíveis. A força da fé é percebida nas lágrimas derramadas ao ver a imagem da santa ser levantada, e no terço rezado com fervor durante a procissão, à luz de velas.

 

Moradora de Taguatinga, Auriberta de Almeida, 73 anos, acompanhou de pé todo o ritual. "Eu não estou sozinha, Nossa Senhora está comigo e guia todos os meus passos. Tantas graças recebidas que eu nem consigo contar. Agora, eu pedi forças a ela, para que eu esteja aqui de novo, no ano que vem."

 

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.