Mulher perde a guarda de cães após ser acusada de maus-tratos

Por meio de uma denúncia, a Polícia Ambiental foi até a residência no Guará e encontrou o local em situação precária. O caso aconteceu em agosto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/11/2017 19:15 / atualizado em 07/11/2017 23:11

PMDF/Divulgação
A Justiça do Distrito Federal decidiu, na segunda-feira, que os 12 cães resgatados, em uma casa no Guará, não devem ser devolvidos á antiga dona e podem permanecer nos lares temporários que cuidaram dos animais até o julgamento. 
 
  
O caso ocorreu em agosto deste ano, quando a Polícia Ambiental recebeu denúncia de maus-tratos a cães. Ao chegar na residência, no Guará, os militares encontraram o local sujo, com água e comida precárias. Foram resgatados duas cadelas e mais 10 filhotes, da raça Golden Retriever. 
 
Ana Paula de Vasconcelos/Acervo Pessoal
Segundo a advogada Ana Paula de Vasconcelos, representante dos defensores de animais e dos lares temporários, os cães precisaram passar por tratamento veterinário e depois foram recebidos por pessoas aptas a ajudá-los. "Eles estavam doente e neglicenciados. Nós fizemos campanha para arrecadar ração, remédios. Mas o atendimento veterinário, o pagamento das vacinas e do hotel em que eles ficaram ainda está pendente de pagamento", afirmou a advogada. Com a decisão, os animais vão poder ficar nessas casas e os novos donos devem assinar termo de comprometimento de adoção e se responsabilizar pela castração. 
 
A proposta foi feita pelo Ministério Público do DF. A mulher acusada foi assistida pela defensoria pública e aceitou a punição. Ela pediu um último encontro com as duas cadelas, Leide e Flor. A solicitação foi acatada e a visita, que será supervisionada, está marcada para este domingo (12/11), no Parque da Cidade. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.