Moradores do Lago Norte contabilizam os estragos após chuva forte

Diversas casas foram destelhadas e o comércio ficou sem energia. Inmet registrou rajadas de até 50km/h por volta de 1h

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2017 10:13 / atualizado em 08/11/2017 13:45

Lucas Vidigal/ Esp. CB/ DA Press

Os moradores do Lago Norte passaram a manhã desta quarta-feira (8/11) contabilizando os estragos após a tempestade que caiu nesta madrugada no Distrito Federal. Com a queda de árvores e a falta de energia, moradores e comerciantes da região administrativa ficaram prejudicados. 

 

Leia mais notícias em Cidades

 

As quadras 13 e 14 foram umas das mais atingidas pelo temporal. Um ipê caiu sobre um poste de luz, deixando a fiação completamente exposta no chão, e as duas quadras estão sem energia. De acordo com os lojistas, funcionários da Companhia Energética de Brasília (CEB) apenas moveram os fios de lugar, para evitar choques. Até por volta das 9h30, a fiação continuava no local.

 

A Companhia Energética de Brasília (CEB) informou em nota que os empregados estão em greve e que não há previsão para que os serviços decorrentes dos estragos da chuva sejam realizados. 

 

Prejuízos

 

Uma padaria localizada na comercial da L3 não vai abrir as portas hoje. O proprietário, João Maria de Lima, 46 anos, estima que o prejuízo deve ficar, no mínimo, em R$ 1.400, valor do aluguel do gerador por 8 horas. "Também moro no bairro e foi um susto muito grande na madrugada quando eu abri a janela e vi a tempestade", relata.

 

Na QL 14, o telhado da casa do estudante de engenharia Caio Bernardes, de 22 anos, foi parcialmente arrancado. "Foram mais de mil telhas arrancadas. Além disso, alagou muito dentro da casa. Eu nunca vi um vento tão forte assim por aqui", diz.

 

A poucos quilômetros dali, na QI 14, a residência da consultora nutricional Liliane Martins Affonso, 38 anos, também amanheceu sem algumas telhas. Ela não foi para o trabalho para tentar resolver os problemas causados. "Moro aqui desde que eu nasci e é a primeira vez que vejo algo assim. A água jorrava por cima do telhado, como se tivesse aberto. O barulho foi alto, como se fossem peças de dominó caindo". A mãe dela, Marly Affonso disse que o barulho foi assustador. "Só ouvíamos as telhas batendo no chão e, de manhã, conferimos o estrago".

 

Lucas Vidigal/ Esp. CB/ DA Press
 

 

Até as 11h30, a região entre as QI e QL 13 a 16 estavam sem luz. Muitos problemas eram visíveis: casas com muros caídos, árvores dentro de piscina e postes de iluminação tortos. Além disso, muitos moradores deixaram de trabalhar para tentar minimizar os danos. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.