Operação do Ibram faz resgate de aves silvestres em São Sebastião

As ações foram coordenadas pelo Ibram. Além da operação na cidade, outros 8 animais também foram resgatados na quarta-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2017 23:03 / atualizado em 09/11/2017 13:09

Ed Alves/CB/D.A Press

Uma força tarefa do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) para frear a criação e comercialização ilegal de aves silvestres foi realizada nesta quarta-feira (8/11), em pontos específicos da região de São Sebastião. Durante as buscas pela manhã, aproximadamente 40 aves foram apreendidas. Além das irregularidades, foram constatadas infrações relacionadas a maus-tratos, como aves com patas quebradas e gaiolas com casca de banana apodrecendo. Ao fim do dia, os fiscais contabilizaram 131 apreensões.
 
 
Entre os animais resgatados estavam canário-da-terra, galo de campina e periquitos. Apesar de as aves serem o foco, em um dos imóveis visitados, além de quatro desses animais, foi encontrada uma pomba africana em uma gaiola desproporcional. Nela, havia fezes concentradas em um único ponto, indicando que há semanas não passava por limpeza. 
 
Na operação, nomeada Aves do Morro, a meta é encontrar 50 alvos pela cidade. "São famílias em áreas residenciais que criam essas aves silvestres, o que é irregular. Além disso, boa parte desses criadores sabem que se trata de uma atividade proibida", disse a gerente de Fiscalização de Fauna do Ibram, Karina Torres.  
 
A medida que as apreensões foram feitas, as aves eram encaminhadas ao Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama, na Floresta Nacional. "Lá, eles serão tratados, vão receber cuidado veterinário e, em seguida, encaminhados para a quarentena, onde ficarão em observação”, destacou Karina.
 
A ação é conjunta com a Polícia Civil — por meio da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística (Dema) —, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Polícia Ambiental Militar. No total, aproximadamente 20 servidores trabalham na operação.
 

Denúncia pelo 162

 
Manter animal silvestre da fauna brasileira em cativeiro é considerado crime, segundo a Lei Federal nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, e o Decreto Federal nº 6.514, de 22 de julho de 2008. É passível de detenção, e a pessoa responde a processos criminal e administrativo. Os proprietários autuados pagarão multas com valores de R$ 500 a R$ 14 mil. Eles têm dez dias para apresentar defesa. Foram, ainda, intimados a comparecer à delegacia.
 
Morador do Bairro Vila Nova (área rural de São Sebastião), Antônio Carlos Marciel, 31 anos, foi flagrado com 10 aves silvestres e recebeu a multa máxima. "Eu não sabia que a criação dos animais era uma prática ilegal", justificou. 
 
Em uma das casas da mesma rua onde mora Antônio Maciel, os servidores foram atendidos por uma mulher, moradora do lote acima. Ela alegava que não conhecia o morador da residência. Porém, após longa conversa com os agentes fiscais, a mulher cedeu e deixou que revistassem a casa debaixo. Na verdade, o pai dela era o dono da casa. 
 
No local, foram encontradas seis pássaros silvestres, onde um deles é o chamado pomba-de-coleira doméstica. O Correio acompanhou toda a vistoria. Em uma gaiola proporcional apenas para o tamanho e não para locomoção, os agentes encontraram uma grande quantidade de fezes, indicativo para falta de higiene das gaiolas. “O estado da ave é deplorável. Pela quantidade de fezes, podemos dizer  estão ali há semanas. Veja que a ave não pula de um lado para o outro. Ela não se mexe”, explicou um dos fiscais.
 
De acordo com o Ibram, grande parte dos locais visitados veio ao conhecimento do órgão através de denúncias, que podem ser feitas pela ouvidoria, no telefone 162.
 

Mais ações

 
Policiais militares do Batalhão Ambiental também resgataram, no mesmo dia, cinco garças, na Estação Experimental Biológica da Universidade de Brasília. Segundo informações da equipe, quatro delas tinham as asas quebradas e uma estava sem ferimentos. 
Um funcionário da UnB informou aos militares que as garças se feriram após fortes ventos durante a madrugada que derrubaram vários pés de eucalipto. As aves foram encaminhadas ao Centro de Triagem de Animais Silvestres. 
 
PMDF/Divulgação
Além das garças, o batalhão também atuou no resgate de uma Arara Canine, em Planaltina. O pássaro teria caído dentro de uma residência e estava ferida. Já em uma faculdade na 611 da Asa Norte, a equipe assistiu um Periquito do Encontro Amarelo. Os animais foram recebidos no Centro de Triagem.
 
PMDF/Divulgação
Um Saruê com cinco filhotes também foram resgatados em uma chácara em Planaltina. Por estar aparentemente saudável foram liberados no habitat natural. 
 
A reinserção na natureza de uma cobra Jaracuçu, encontrada em uma casa no Lago Sul, encerrou os registros dos trabalhos dos militares na quarta-feira. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.