Homem de 65 anos desaparece em Ceilândia

Antônio Carlos Nascimento foi visto pela última vez próximo ao Centro Espírita Voluntários da Paz

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/01/2018 19:02 / atualizado em 13/01/2018 22:33

Acervo Pessoal

Um homem de 65 anos, identificado como Antônio Carlos Nascimento, está desaparecido desde terça-feira (09/01), por volta das 17h45. Ele foi visto pela última vez próximo ao Centro Espírita Voluntários da Paz, na EQNN 24/26, na Ceilândia Sul. Familiares registraram a ocorrência na 4ª Delegacia de Polícia (Guará II), na quinta-feira (11/01), mas por conta da localidade do desaparecimento, a 23ª DP (P Sul) investigará o caso.


Ao desaparecer, Antônio vestia calça jeans preta desbotada e camisa xadrez com cor predominante verde piscina. O funcionário Jânio Candido Portela, que prestava serviços domésticos ao homem, foi o último a vê-lo. "Ele pediu para que eu estacionasse o carro dele em frente ao Centro Espírita Voluntários da Paz, mas que ficaria na esquina. Eu fiz como ele pediu e deixei a chave com ele, antes de pegar o ônibus na parada em frente ao Campus da UnB (na Ceilândia)", conta.
 
Na manhã seguinte, ninguém tinha notícias do paradeiro de Antônio Carlos. A mulher dele, Terezinha Soares da Silva, ligou para Jânio perguntando pelo marido. "Todo o caminho que eu fiz com ele, refiz com a Therezinha. Foi quando encontramos o carro dele,um Jeta preto, no mesmo lugar onde eu havia deixado. Como ela tinha a chave reserva, levou o automóvel para a casa da nora, em Bernardo Sayão", explicou Jânio.  Porém, Therezinha precisou levar o veículo para a delegacia, a fim de ser periciado. De acordo com informações da PCDF, o automóvel não possuía sinais de arrombamento ou danos.
 
O advogado Leonardo Max Nascimento, 36, também busca compreender o que aconteceu com o tio. "O que a gente quer é que a investigação comece, com a coleta de depoimentos, para entendermos o que aconteceu. Existem muitas lacunas abertas", ressaltou. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.