Publicidade

Estado de Minas

Criança detida por PM com arma de airsoft é convidada para recreação

O caso aconteceu no Hospital Regional de Ceilândia (HRC), na terça-feira (30/1). O pai e o garoto foram encaminhados à delegacia e liberados em seguida


postado em 31/01/2018 12:20 / atualizado em 31/01/2018 20:25

Thalyson Eduardo e a família visitaram Batalhão da Polícia Militar na tarde de hoje(foto: Deborah Novais/Esp.CB/D.A Press)
Thalyson Eduardo e a família visitaram Batalhão da Polícia Militar na tarde de hoje (foto: Deborah Novais/Esp.CB/D.A Press)

Como pedido de desculpas, a Polícia Militar recebeu na tarde desta quarta-feira (31/1) o menino Thalyson Eduardo Pereira da Costa, 10 anos, que foi detido junto com o pai, Eduardo Pereira da Costa, equivocadamente. O menino e a família foram convidados pela Polícia Militar (PMDF) para um dia de recreação, com visita ao 10º Batalhão de Polícia Militar, em Ceilândia Norte, e contato com outras unidades da corporação. "A PMDF reafirma seu compromisso na aproximação com a comunidade e, especialmente, com as crianças, que representam não só o futuro da sociedade, como o da própria Polícia Militar", informou em nota.


Ontem pela manhã, o garoto, que vestia uma farda e tinha uma arma de airsoft, foi abordado por PMs no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). De acordo com Eduardo Pereira, ele e Thalyson aguardavam a mãe da criança sair de uma consulta quando o menino foi abordado por um policial militar, que teria sido acionado por um vigilante do HRC. "Meu filho estava com o celular quando o PM chegou. Ao invés de pedir com educação para ver a arma e a autorização, ele puxou o documento da minha mão, me xingou e ofendeu meu filho. Depois, ele me algemou à pilastra e outros policiais chegaram", relembra.

Desentendimento


Eduardo foi encaminhado à 23ª Delegacia de Polícia (P Sul) e o filho foi levado à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). "Ele ficou bastante desapontado. Disse que ia jogar fora as fardas que tinha quando chegasse em casa e que o amor pela corporação tinha acabado. Ele também entrou em desespero quando viu menores sendo presos na DCA e achou que o mesmo aconteceria com ele", conta Eduardo.

Thalyson e o pai foram liberados ontem à tarde. A Polícia Militar não divulgou o nome do policial que realizou a abordagem e informou que, apesar de solicitação para guardar o objeto, o pai do garoto teria desacatado os militares. A corporação afirma, não ter desaprovado o uso da farda pelo menino.

O coronel Alexandre Rodrigues, à frente do 2º Comando de Policiamento Regional Oeste (CPRO II), comenta que os policiais se dirigiram ao hospital após reclamações de pessoas que estavam no local e disseram estar assustadas com a arma da criança. "Essa intervenção foi feita após uma solicitação. As pessoas não entenderam que se tratava de uma criança e que aquela não era uma arma verdadeira. O que a diferencia de uma real é a ponta vermelha que a de air soft tem na frente", diz.

Ainda de acordo com Rodrigues, a Corregedoria da PMDF vai apurar se houve algum excesso na atuação do policial. Thalison também conhecerá outras unidades da Polícia Militar e ganhará um passeio de helicóptero. "Fizemos essa homenagem para minimizar a situação dele e para que essa criança não perca o carinho e a atenção que tem pela farda da PM. A gente acha extremamente válida essa demonstração feita pelas crianças, e ele (Thalyson) tem esse mesmo sentimento de carinho pela corporação e pela PM em geral", complementa o comandante.
 
* Estagiária sob supervisão de Margareth Lourenço (Especial para o Correio

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade