Publicidade

Estado de Minas

Após desabamento, moradores do Bloco C ficam sem gás e sem banheiro

O condomínio reforçou a segurança para garantir que nenhum outro incidente aconteça


postado em 05/02/2018 06:00 / atualizado em 05/02/2018 10:47

Roberto Botelho e Sandra Vianna: preocupação com a segurança(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press )
Roberto Botelho e Sandra Vianna: preocupação com a segurança (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press )

 

A primeira noite após o desabamento de parte da garagem do Bloco C da 210 Norte seria de apreensão para os moradores. Após o incidente, alguns preferiram deixar o prédio e, durante um período, os apartamentos ficaram sem energia — a Companhia Energética de Brasília (CEB) restabeleceu a luz por volta das 16h. Apesar disso, metade das luzes do pilotis estava ligada e todos os elevadores, sem funcionamento. 

Além disso, a administração do prédio recomendou, por precaução, que os condôminos não usassem o banheiro e o gás de cozinha. O funcionário público aposentado Roberto Botelho, 65 anos, conta que os vizinhos da quadra se solidarizaram com a situação e prestaram apoio aos moradores. “Não estamos usando os nossos banheiros. A Prefeitura fez um acordo com os blocos, que estão deixando a gente usar os banheiros deles. Alguns moradores também estão ajudando”, reforçou.
 
Ver galeria . 37 Fotos Desabamento de garagem no bloco C da 210 norte destrói carros de moradoresCorpo de Bombeiros/Divulgação
Desabamento de garagem no bloco C da 210 norte destrói carros de moradores (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )


 
O veículo da moradora Sandra Vianna, 66, teve perda total. A Ecosport prata estava estacionada do lado direito da garagem e foi atingida pela estrutura. “A minha preocupação era ter alguém soterrado, o resto, nem importa tanto. O pior passou”, destacou. Com seguro do carro, ela não se preocupava com danos materiais.

O condomínio reforçou a segurança para garantir que nenhum outro incidente aconteça. Apesar da limpeza feita no local do acidente, os moradores ainda temem problemas com a gasolina que vazou dos veículos destruídos. Por isso, Sandra e Roberto ficaram pelo pilotis para que não houvesse risco de alguém jogar uma bituca de cigarro e, assim, não começasse um incêndio. Até as 20h, um segurança contratado era aguardado para auxiliar o trabalho à noite.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade