Estudo detalha como as doenças crônicas não transmissíveis afetam adultos

Primeiros resultados indicam que metade dos participantes diabéticos desconhecia ter a doença

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/03/2015 06:20

Junia Oliveira

Belo Horizonte — Pesquisadores de seis instituições do Brasil trabalham há seis anos em um levantamento epidemiológico que, pela primeira vez, vai detectar quais fatores contribuem para aumentar ou diminuir o risco de doenças crônicas não transmissíveis entre os brasileiros adultos. O Estudo Longitudinal da Saúde do Adulto (Elsa) municiará médicos e o Sistema Único de Saúde (SUS) com informações e referenciais de valores para exames clínicos e laboratoriais, hoje tidos com base em sondagens feitas em outros países, como os Estados Unidos. O projeto vai se estender ao menos pelos próximos 20 anos, mas já há sinais de que os parâmetros de saúde são diferenciados.

O estudo recrutou 15.105 voluntários, servidores de universidades e institutos de pesquisa públicos, com idade entre 35 e 74 anos, em seis capitais: Belo Horizonte, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Vitória. A saúde deles está sendo acompanhada desde 2008. Anualmente, são entrevistados por telefone. A cada quatro anos, submetidos a baterias de exames e a outras entrevistas que ajudam a verificar a evolução do quadro de saúde de cada participante. Cerca de 50 pesquisadores das universidades federais de Minas Gerais (UFMG), do Rio Grande do Sul (UFRGS), do Espírito Santo (Ufes) e da Bahia (UFBS), da Universidade de São Paulo (USP) e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) estão envolvidos no projeto.

O interesse principal do Elsa-Brasil é avaliar doenças cardiovasculares, hipertensão arterial e diabetes, além de problemas como cognição, depressão e aterosclerose. Entre os parâmetros biológicos avaliados, estão a espessura da camada média-intimal da artéria carótida (o espessamento dela indica o risco aumentado de doenças cardiovasculares), a duração das ondas e os intervalos registrados no eletrocardiograma e exames que verificam a função renal e enzimas produzidas no fígado.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.