Atenção aos sinais do câncer de intestino como sangue oculto nas fezes

É consenso entre especialistas que indivíduos com essas condições devam se submeter ao exame de colonoscopia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/07/2016 06:00

Belo Horizonte — O fato de o rastreamento do câncer colorretal ser indicado para as pessoas com mais de 50 anos, ainda que a condição seja assintomática e não exista histórico familiar da doença, alerta para a gravidade do problema. Com chances de cura quando detectada inicialmente, essa neoplasia preocupa pela alta incidência. Popularmente conhecida como câncer de intestino, a doença é a segunda mais frequente entre as mulheres, e a terceira entre os homens. É também o tumor mais prevalente do aparelho digestivo. Só para este ano, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima o registro de 34.280 novos casos.



Segundo o endoscopista Vítor Arantes, coordenador do Serviço de Endoscopia do Hospital Mater Dei Contorno, em Belo Horizonte, e do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), os principais métodos utilizados para rastreamento do câncer de intestino são a pesquisa do sangue oculto nas fezes, utilizada em maior escala na população; e a colonoscopia, um exame empregado quando o sangue oculto é positivo ou o paciente tem história familiar da doença, antecedentes de pólipo intestinal ou sintomas como sangramento anal e alteração do hábito intestinal. É consenso entre as sociedades médicas que indivíduos que tenham as condições acima sejam submetidos à colonoscopia.

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

O risco de uma pessoa desenvolver câncer colorretal é de aproximadamente 5%. Cerca de dois terços dos tumores de intestino grosso se instalam no cólon, enquanto um terço tem origem no reto. Homens e mulheres são acometidos de forma parecida, geralmente depois dos 65 anos de idade. Segundo o oncologista Enaldo Melo de Lima, coordenador do Hospital Integrado do Câncer Mater Dei, o que mais tem contribuído para a incidência da neoplasia, em todo o mundo, são os maus hábitos. “É um câncer muito influenciado pela alimentação e pelo hábito intestinal. A constipação colabora muito, assim como o sobrepeso, a obesidade, o sedentarismo e as dietas ricas em proteína animal e alimentos defumados”, lista.

Mas há um risco aumentado devido à existência de mutações genéticas herdadas. De 5% a 10% dos casos de câncer de intestino grosso são hereditários. A síndrome de Lynsh, também associada a outras neoplasias, e a polipose familiar polipônica são duas doenças que podem desencadear o câncer colorretal. “A polipose, felizmente, é rara. Esse paciente tem que fazer um acompanhamento desde a infância e, muitas vezes, precisa-se retirar o intestino antes que tantos pólipos evoluam para tumores. Mas quase todos os casos hereditários estão relacionados ao Lynsh.”, diz Lima.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.