Alguns idosos podem ter desempenho memorial igual ao de jovens, diz estudo

Estudo mostra que idosos com a habilidade de pensamento equiparada à de jovens não sofreram redução de tamanho de áreas-chave do cérebro, como o córtex pré-frontal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/09/2016 10:32



Ir perdendo gradativamente a memória é esperado quando se chega à terceira idade. Há um grupo de homens e mulheres, porém, que não amarga esse efeito do tempo. Pelo contrário. Chamados de super agers, esses idosos têm um desempenho cerebral equiparado ao de jovens. Por meio de testes e de exames de imagens, pesquisadores do Massachusetts General Hospital (MGH), nos Estados Unidos, constataram a performance inusitada e identificaram áreas-chave do cérebro que podem estar ligadas a ela. Detalhes do estudo foram divulgados, neste mês, no The Journal of Neuroscience e abrem caminho para avanços importantes na prevenção e no tratamento do problema.

Participaram do estudo 81 voluntários, sendo que 40 tinham entre 60 e 80 anos; e 41, de 18 a 35 anos. Os integrantes do grupo mais velho apresentaram desempenhos diferentes nos testes de memória. Dezessete marcaram pontuações equivalentes às de participantes 40 a 50 anos mais jovens e foram classificados como super agers. Os 23 restantes apresentaram um resultado esperado para a faixa etária, assim como os adultos jovens. Os exames de imagem mostraram que o cérebro dos idosos com supermemória tinha características juvenis. Por exemplo, o córtex — camada do órgão rica em neurônios e onde ocorrem fenômenos como processamento de informações multissensoriais e compreensão da linguagem —, não perdeu o tamanho com o envelhecimento.

“Olhamos para um conjunto de áreas do cérebro conhecido como a rede de modo padrão, que tem sido associada à capacidade de aprender e lembrar novas informações, e descobrimos que essas áreas, particularmente o hipocampo e o córtex pré-frontal medial, eram mais espessas nos super agers do que em outros adultos mais velhos (…) Em alguns casos, não houve diferença de espessura entre os super agers e os adultos jovens”, informou, em comunicado à imprensa, Alexandra Touroutoglou, coautora sênior do estudo com Bradford Dickerson e Lisa Feldman Barrett, todos do MGH.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.