SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Dupla de astronautas chineses deve passar um mês em missão no espaço

A ação integra os planos do gigante asiático de construir estação orbital

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/10/2016 08:00

AFP


A China está determinada a ter uma estação espacial até 2022. Ontem, o país deu um novo passo rumo a esse objetivo, enviando dois astronautas rumo ao laboratório orbital Tiangong-2 (Palácio Celeste 2), uma espécie de versão em miniatura e intermediária da estrutura planejada. Jing Haipeng e Chen Dong decolaram da base de Jiuquan, no deserto de Gobi, a bordo da nave Shenzhou-11 (Nave Divina 11), propulsada por um foguete Larga Marcha-2F.

A dupla deve levar 48 horas para chegar ao módulo, inaugurado no mês passado. A missão deve durar 30 dias, um prazo recorde para astronautas chineses, de acordo com a agência estatal Xinhua. Os dois “taikonautas”, como os chineses chamam seus astronautas, devem realizar experimentos nas áreas de medicina, biologia e física, assim como pesquisas sobre tempestades solares e testes para o reparo de equipamentos. Jing Haipeng, comandante da missão, está em sua terceira viagem espacial e celebrará seu aniversário a bordo da estação.

A conquista espacial, coordenada pelo Estado-Maior militar chinês, é encarada como um símbolo do poder global alcançado pela potência asiática nas últimas décadas. Pequim investe bilhões de dólares em programas do setor para tentar alcançar o mesmo nível de desenvolvimento científico de Estados Unidos, Europa e Rússia. Nessa busca, os chineses enviaram o primeiro homem ao espaço em 2003. Dez anos depois, o país concluiu com sucesso a missão tripulada Shenzhou-10, que manteve uma tripulação na órbita terrestre durante 15 dias.

Após o sucesso da decolagem, o presidente chinês Xi Jinping enviou uma mensagem de felicitações à tripulação da Shenzhou-11. “Os passos dados pelos chineses na exploração espacial são os maiores e vão mais longe”, diz o texto, que ressalta ainda a importância da missão para “fazer da China uma potência espacial”.
Se tudo sair como planejado, a China pode ser o único país a ter um centro de pesquisa orbital na próxima década. O funcionamento da Estação Espacial Internacional só está garantido até 2020, e, hoje, a agência espacial americana, a Nasa, estudo se vai desativá-la ou encontrar um parceiro privado para gerenciá-la.

Experimentos

O laboratório Tiangong-2, no qual os astronautas deve acoplar amanhã, está em órbita a 393km de altitude e possui dois conjuntos: uma cabine de experiências que também serve de moradia e um espaço de armazenamento com painéis solares, motores e baterias. Durante a viagem, os taikonautas realizarão testes sobre a saúde e a falta de gravidade, plantarão arroz para estudar o crescimento vegetal em baixa gravidade e coordenarão pesquisas sobre um relógio atômico cujo sistema de resfriamento de átomos melhora consideravelmente a precisão.

Jing e Chen trabalharão duro, tendo direito a apenas duas horas de descanso diário, além do tempo de sono. No intervalo livre, poderão se distrair com filmes e música, além de fazer videochamadas para a Terra. “Preparamos para eles mais de 100 tipos de alimentação e bebidas”, afirmou, ao jornal China Daily, Wu Ping, vice-diretora do Programa de Voos Tripulados. Os dois também terão à disposição uma esteira de corrida e uma bicicleta ergométrica.

Além da estação espacial, Pequim sonha ainda em enviar um homem à Lua. Em dezembro de 2013, a sonda chinesa Chang’e-3 pousou no solo lunar e desembarcou no satélite o veículo teleguiado Coelho de Jade. A missão foi considerada um “sucesso” pelo governo, apesar de o veículo passar por problemas que o deixaram desativado por longos períodos. Pequim também ambiciona lançar uma nave espacial ao redor de Marte até 2020, antes de enviar um veículo teleguiado ao Planeta Vermelho.

Descontrolado

O primeiro módulo chinês, o Tiangong-1, foi lançado em setembro de 2009, com operação prevista inicialmente para dois anos. Em março deste ano, mais de seis anos depois de entrar em órbita, portanto, o governo chinês anunciou que havia perdido o controle do módulo, que deve cair sobre a Terra no ano que vem. A expectativa é que a maior parte do equipamento seja destruída pela atmosfera terrestre, mas especialistas se preocupam com as informações escassas divulgadas pelo governo chinês.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade