SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Ar nunca esteve tão poluído pelo dióxido de carbono como em 2015

Relatório Anual sobre o Estado do Clima, da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos, detectou que a concentração média de CO2 na atmosfera chegou a 400ppm no ano passado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2016 06:00

Lu Guang/Greenpeace/AFP
 

 

A duas semanas da grande conferência sobre mudanças climáticas que acontecerá em Marrakech, no Marrocos, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) deu nesta sexta-feira (24/10) o alerta: o ar nunca esteve tão poluído pelo dióxido de carbono (CO2) como em 2015. O Relatório Anual sobre o Estado do Clima (State of Climate), da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (Noaa, nas siglas em inglês), detectou que a concentração média de CO2 na atmosfera chegou a 400ppm (partes por milhão) no ano passado. A OMM, agência das Nações Unidas, reconheceu que essa barreira já havia sido atingida antes, “em alguns lugares e durante alguns meses do ano”. Mas enfatizou que, pela primeira vez, foi registrada “em escala global e durante um ano inteiro”, o que torna o dado alarmante

A concentração média de dióxido de carbono na atmosfera que se previa era de 399,4 ppm, 2,2 ppm a mais do que em 2014. Com base nas informações da estação de monitoramento de gases do efeito estufa de Mauna Loa, no Havaí, a OMM advertiu que a tendência de aumento continuará este ano. A elaboração do State of Climate conta com a participação de 450 cientistas do mundo todo.

 

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

 

Para a agência da ONU, esse é o “problema número 1” da questão climática, uma vez que o CO2 “permanece na atmosfera durante milhares de anos e ainda mais tempo nos oceanos”. Na opinião do finlandês Petteri Taalas, secretário-geral da organização, os países não estão sabendo lidar com o problema. “O mundo se move na direção errada”, criticou.

Durante uma coletiva de imprensa em Genebra, ao comentar o aumento permanente do nível de dióxido no ar, Taalas enfatizou que, com “vontade política”, há soluções para reduzir as emissões. Ele deu como exemplo a Alemanha, onde as energias renováveis bateram recordes de produção. “Podemos agir”, frisou.

De acordo com a OMM, o pico das emissões de dióxido de carbono ocorreu em decorrência, principalmente, do fenômeno climático El Niño, que surge a cada quatro ou cinco anos e provoca o aquecimento do planeta. Na última passagem, pontuou o relatório, ele gerou secas em regiões tropicais e reduziu a capacidade de absorção de CO2 pelas florestas e oceanos. “O El Niño desapareceu, mas as mudanças climáticas continuam”, observou Taalas.

A ideia é que o relatório seja usado nas discussões da COP 22, que começa no próximo dia 8, no Marrocos. “Com a assinatura do Acordo de Paris sobre o Clima, o ano de 2015 constatou a chegada de uma nova era marcada pelo otimismo e ação, mas marcará também um ponto de inflexão na medida em que as concentrações recorde de gases do efeito estufa anunciarão uma nova realidade”, afirmou Taalas.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade