SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Anticorpo conhecido por combater vírus da dengue também pode evitar zika

Descoberta feita por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Duke e da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, pode levar a tratamentos e vacinas contra a doença

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2016 06:00 / atualizado em 25/11/2016 00:36



À medida que o vírus zika se espalha pelo mundo, aumenta a necessidade de desenvolver rapidamente tratamentos para tratar a doença desencadeada pelo micro-organismo. Agora, um grupo de pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Duke e da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, anunciou a descoberta de um alvo terapêutico em potencial. Eles desvendaram o mecanismo pelo qual o C10, um anticorpo humano previamente conhecido por reagir com o vírus da dengue, previne a infecção do zika em nível celular.

Para infectar uma célula, as partículas virais geralmente utilizam dois passos — acoplamento e fusão — que são alvos comuns de medicamentos antivirais. Durante a primeira fase, o micro-organismo identifica locais específicos da célula e se liga a eles. Com a infecção do zika, esse passo se inicia em um compartimento celular chamado endossomo. As proteínas que formam uma espécie de capa que protege o vírus passam por mudanças estruturais para se fundirem com a membrana do endossomo e, assim, lançam o genoma do patógeno dentro da célula, completando o processo de fusão e, portanto, a infecção.

Usando um método chamado microscopia crioeletrônica, que permite visualizar partículas extremamente pequenas, a equipe de cientistas visualizou o C10 em ação com o vírus zika sob diferentes pHs, de forma a compreender como essa interação se daria em diferentes ambientes, tanto do vírus quanto do anticorpo, no processo infeccioso. Os cientistas descobriram que o C10 se associa à principal proteína que forma a capa do vírus zika, independentemente do pH, e encapsula esse gene, impedindo as alterações estruturais necessárias à ocorrência do passo de fusão. Sem a fusão do vírus no endossomo, o DNA viral não consegue entrar na célula e, consequentemente, não ocorre a infecção.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade