Falar dois idiomas protege idosos do Alzheimer, mostra estudo

Segundo os cientistas, ao executar tarefas corriqueiras, os bilíngues poupam áreas do órgão mais vulneráveis na velhice

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/01/2017 08:30 / atualizado em 22/01/2017 08:35



Para José Saramago, as pessoas usam o cérebro de maneira excessivamente disciplinada, pensando só o que é preciso. Fugir dessa acomodação descrita pelo escritor português pode prevenir uma das complicações mais frequentes do envelhecimento: a demência. Uma equipe canadense constatou que falar mais de uma língua envolve uma atividade neural que protege o cérebro do Alzheimer e de outras disfunções cognitivas. Detalhes do estudo foram divulgados no Journal of Neurolinguistics.

Liderados por Ana Inés Ansaldo, do Centro de Pesquisas do Instituto Universitário de Geriatria de Montreal, os cientistas compararam o cérebro de idosos bilíngues e o dos que falavam apenas um idioma. O objetivo inicial era entender divergência de estudos anteriores quanto a uma possível melhora cognitiva em pessoas com a habilidade. “Decidimos olhar para o que o cérebro estava fazendo, e não apenas para o desempenho das tarefas, a fim de observar se essa aparente divergência nos resultados comportamentais poderia ser entendida”, conta ao Correio Ansaldo.

Participaram do experimento dois grupos de idosos — um monolíngue e outro bilíngue —, que tinham a tarefa de se concentrar na informação visual de um objeto, a cor dele, e ignorar a espacial, em que posição estava, enquanto o cérebro era escaneado. Ao comparar os resultados, os pesquisadores não detectaram diferenças nos tempos de resposta e nas taxas de erro, mas, analisando o funcionamento cerebral dos voluntários, encontraram características distintas.

“Para executar a tarefa, os monolíngues tiveram que recrutar muito mais áreas do cérebro do que os bilíngues. Eles ativaram redes cerebrais complexas, envolvendo regiões de processamento frontal, visual, motor e espacial, enquanto os bilíngues recrutaram um circuito pequeno e altamente especializado. Seu cérebro, portanto, é mais eficiente na hora de resolver o teste”, detalha a pesquisadora.

Segundo os investigadores, a área ativada pelo cérebro do idoso monolíngue aloca um número de regiões ligadas às funções visual e motora e ao controle de interferência (vinculada à tomada de decisões), que estão localizados no lobo frontal. Dessa forma, recruta várias regiões cerebrais para a execução da tarefa. Já os bilíngues alcançam o mesmo resultado sem usar as áreas frontais.

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press


Ansaldo explica que essa simplicidade do mecanismo cerebral dos bilíngues faz bem ao órgão. “O fato de eles não recrutarem áreas frontais é uma vantagem, já que elas são muito vulneráveis ao envelhecimento e também comprometidas em casos de demência. Isso também pode explicar por que trabalhos anteriores mostram que pessoas que sabem dois idiomas mostram um atraso no aparecimento de sinais de demência em comparação com as  monolíngues”, detalha.

Poupança cognitiva
Otávio Nóbrega, diretor da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, diz que o estudo canadense acompanha outras linhas de pesquisa na área. “O estímulo da capacidade cognitiva é tão importante quanto o desenvolvimento e o treino da capacidade física, mas damos menos importância a ele. O envelhecimento é reflexo de poupanças que fazemos ao longo da vida. Se você guardar, lá na frente, poderá usar”, destaca o especialista, que não participou do estudo.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui  
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.