Análise de DNA de fósseis traça história da malária e outras enfermidades

Análise de DNA detecta, em dentes fossilizados, a presença de protozoário que acometeu humanos há mais de 2.000 anos e hoje é responsável pelo tipo mais agressivo da malária

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/02/2017 06:05 / atualizado em 07/02/2017 07:46

Luca Bandioli/Divulgação - 28/12/16
 
Hipócrates, no século 5 a.C., desvinculou doenças febris das superstições e passou a ligá-las à sazonalidade, um dos relatos mais antigos da existência da malária. Não se sabe ao certo quando o protozoário que desencadeia a doença entrou em contato com humanos. Estima-se, porém, que ele exista há 50.000 anos. Traçar essa história é um desafio aos cientistas, e um grupo de pesquisadores da Universidade McMaster, no Canadá, tenta vencê-lo por meio de uma técnica baseada na análise de DNA de fósseis. O instrumento também foi usado para decifrar o passado da varíola, detalhado, recentemente, na revista Current Biology. 

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

Chamado RNA-bait, o método já é utilizado para capturar, no genoma, genes específicos que possam conter mutações. Em fósseis, identifica os patógenos causadores de epidemias e contribui para a comparação com a linhagem ou variantes atuantes, tendo potencial de ajudar no entendimento da origem e da evolução de micro-organismos que ameaçam os homens, incluindo o comportamento dos vetores e hospedeiros.

“A natureza da malária dificulta a detecção da doença em restos de esqueletos humanos antigos. Por isso, usamos uma técnica que captura apenas os genomas das espécies de malária, sem pegar o DNA de micro-organismos que não estamos procurando”, explica Hendrik Poinar, diretor do centro de pesquisas Ancient DNA da Universidade McMaster. O autor sênior do estudo diz que o procedimento terá novas aplicações. “Essa nova técnica pode ajudar a estudar infecções antigas do passado.”

A equipe analisou a presença do protozoário da malária em ossos humanos com mais de 2.000 anos, encontrados na península itálica, área que enfrentou grande incidência de epidemias na antiguidade. Foram selecionados o primeiro e o segundo molares de 58 fósseis em três cemitérios da região imperial da Itália  — Isola Sacra, Velia e Vagnara. Detectou-se um dos quatro tipos de protozoário da malária, o Plasmodium falciparum. Esse parasita provoca febre recorrente, a cada 36 ou 48 horas, nas pessoas infectadas e pode desencadear a versão mais grave da doença, a malária cerebral, que provoca inflamações no encéfalo.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui  

* Estagiária sob a supervisão de Carmen Souza
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.