Ministério da Saúde e Emprapii vão destinar R$ 150 milhões para pesquisa

Os investimentos de recursos públicos devem representar um terço do custo de cada projeto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/12/2017 13:16

O Ministério da Saúde firmou mesta sexta-feira (1º/12) uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) para destinar R$ 150 milhões para pesquisa na área de saúde. Os recursos repassados pelo ministério serão distribuídos por meio de convênios com institutos, empresas e universidades para desenvolver produtos e equipamentos.

Os investimentos de recursos públicos devem representar um terço do custo de cada projeto. Os outros dois terços, que incluem aportes de infraestrutura e equipamentos, são de responsabilidade da entidade conveniada. “É uma parceria, a Embrapii põe uma parte do recursos, que é esse que nós aportamos, e dois terços dos recursos são colocados pela empresa. Isso ajuda que um determinado projeto, que é interessante para o governo, com esse aporte se transforme em patente. Se transformando em patente, vira produto, se tornando um avanço tecnológico para a sociedade”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Segundo o ministro, o incentivo à inovação nacional pode reduzir os gastos do poder público, em especial na compra de medicamentos. “Ela [a inovação] permitirá que desenvolvamos produtos que estamos comprando fora, de outras patentes. No caso da saúde [há] uma gama enorme de produtos, especialmente os biológicos, que são os mais caros para o poder público e que precisamos desenvolver localmente”, acrescentou.

Além dos remédios, Barros disse que a ideia é que sejam desenvolvidos processos e equipamentos que melhorem a rotina do sistema de saúde brasileiro e exemplificou: “o monitoramento, que são equipamentos eletrônicos que controlam leitos e pacientes remotamente, nos permitirá desospitalizar as pessoas que passarão a ser cuidadas em casa ou em hospitais de cuidados paliativos, sem a desassistência. Haverá o grupo de alta especialidade acompanhando remotamente esses pacientes e dando as orientações necessárias”.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.