Filme sobre casal de lésbicas leva o Palma de Ouro no Festival de Cannes

Confira os filmes e os artistas premiados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/05/2013 14:38 / atualizado em 26/05/2013 15:33

France Presse

AFP PHOTO / VALERY HACHE


Neste domingo (26/5), o último dia da premiação de Cannes, o vencedor da Palma de Ouro foi o então favorito A Vida de Adèle (tradução livre), do diretor Abdellatif Kechiche. O filme francês conta a história de amor entre um casal de lésbicas, interpretadas por Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux. Mais cedo foram anunciados também o prêmio do júri, que foi para Tal Pai, Tal Filho, do japonês Hirokazu Koreeda.

Amat Escalante, do filme Heli, ganhou o prêmio de melhor diretor e o Grande Prêmio foi para os irmãos e diretores Ethan e Joel Coen pelo filme Inside Llewyn Davis.

Os prêmios de melhor atuação foram para Bérénice Bejo, atriz de O Passado de Asghar Farhadi, e Bruce Dern, por sua interpretação em Nebraska, do diretor americano Alexander Payne. Confira os filmes e artistas premiados no Festival de Cannes, na França, neste domingo (26/5).


Leia mais notícias de Diversão e Arte

Palma de Ouro
Adèle, Léa e Abdel Kechiche, Palma de Ouro por A vida de Adèle
AFP PHOTO / VALERY HACHE


O diretor Abdellatif Kechiche e suas duas atrizes Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux foram agraciados neste domingo com a Palma de Ouro do 66º Festival de Cannes pelo filme francês A vida de Adèle. As atrizes, aos prantos, e o diretor foram longamente ovacionados por esse filme que conta uma história de amor ardente entre duas mulheres.

Melhor ator
Americano Bruce Dern por seu papel em Nebraska

O prêmio de interpretação masculina do 66º Festival de Cannes foi concedido neste domingo ao americano Bruce Dern, de 76 anos, por sua atuação como um velho amargo em Nebraska, do diretor Alexander Payne. O cineasta americano recebeu o prêmio em nome de Bruce Dern, ausente da cerimônia.

Interpretação feminina
Bérénice Bejo por Le Passé

AFP PHOTO / VALERY HACHE

O prêmio de melhor interpretação feminina do 66º Festival de Cannes foi concedido neste domingo à atriz franco-argentina Bérénice Bejo por seu papel de uma mãe destroçada em Le Passé, do iraniano Asghar Farhadi. Às lágrimas, a atriz de 36 anos agradeceu a Asghar Farhadi por seu papel no drama familiar.

Melhor roteiro
A touch of sin, do chinês Jia Zhangke

 AFP PHOTO / VALERY HACHE


O diretor chinês Jia Zhangke, de 43 anos, recebeu neste domingo o prêmio de melhor roteiro no 66º Festival de Cannes por seu filme A touch of sin, um incisivo retrato da China contemporânea. No filme, ele mostra a violência de uma sociedade em pleno boom econômico minada pela corrupção, pela pobreza e pela violência.

 

Prêmio do juri
Like father, like son, do japonês Kore-Eda Hirokazu

AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI


O prêmio do Júri do 66º Festival de Cannes foi concedido neste domingo ao diretor japonês Hirokazu Kore-Eda por Like father, like son, um filme delicado sobre a paternidade e a filiação. Like father, like son conta a história de uma "família ideal" japonesa, que se quebra quando a maternidade do hospital revela aos pais que seu verdadeiro filho tinha sido trocado por outro logo depois de nascer.

Melhor diretor
Mexicano Amat Escalante por Heli

 AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI


O jovem diretor mexicano Amat Escalante recebeu neste domingo o prêmio de melhor diretor do Festival de cinema de Cannes por seu filme Heli, que mostra sem pudores os estragos causados pela corrupção e pelo narcotráfico no México. Este é o segundo ano seguido que o México conquista esse prêmio, recebido no ano passado por Carlos Reygadas, autor de Post Tenebras Lux e mentor de Escalante. "É um festival que foi muito importante para minha carreira", comentou Escalante à imprensa, pouco antes da cerimônia de premiação.

Grande Prêmio
Inside Llewyn Davis, dos irmãos Coen

O Grande Prêmio do Festival de Cannes foi entregue neste domingo à noite a Joel e Ethan Coen por Inside Llewyn Davis, um filme nostálgico e engraçado sobre o Greenwich Village de 1961 e a música folk que começava a fazer sucesso. Nesse filme com toques de humor no qual a música ocupa um lugar central com canções interpretadas ao vivo, a estrela em ascensão do cinema americano, Oscar Isaac, se revela um bom músico e cantor de folk, com destaque também para o 'pop star' Justin Timberlake, seu amigo no filme.

Com informações de Olívia Florência.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.