Exposição sobre a produção underground discute o universo das HQs no Brasil

Programação inclui também mesas redondas, palestras e uma feira de quadrinhos independentes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/11/2014 08:07 / atualizado em 12/11/2014 08:36

Alexandre de Paula - Especial para o Correio

Daniel Lopes/Divulgação
 

Refletir as possibilidades artísticas e temáticas do universo dos quadrinhos independentes é um dos objetivos da exposição HoQ? que o curso de museologia da Universidade de Brasília promove a partir de amanhã na Galeria da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU). Além disso, os idealizadores do evento querem mostrar que a museologia pode ir além da imagem tradicional e abordar também com temas mais contemporâneos. “Ela progride com a sociedade e está preparada para lidar, por exemplo, com os quadrinhos, que antes não se inseriam no espaço de discussão”, explica uma das organizadoras do evento, Roberta Arcoverde.

A exposição vai até 20 de novembro. Na programação, estão mesas redondas, palestras e uma feira de quadrinhos independentes ao fim do evento. A história das HQs e as representações de gênero são alguns dos temas abordados durante as atividades programadas.

Leia mais em Diversão & Arte

A escolha pelo universo dos quadrinhos independentes aconteceu pelo desejo de mostrar um nicho das HQs que não são tão divulgados quanto os comerciais publicados por grandes editoras. A seleção abarcou desde nomes já consagrados no quadrinho brasileiro a novos artistas que começaram a divulgar seu trabalho há pouco tempo. Francisco Marcatti, um dos principais autores do quadrinho independente no país, é um dos artistas que terá o trabalho exibido na exposição HoQ?.

“Eventos como esses acabam tendo um papel duplamente importante: refletir e expor, ao menos em parte, essa imensa produção”, comenta Marcatti.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.