SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Legionários relembram os 20 anos de morte de Renato Russo

Líder da Legião Urbana foi um dos mais contundentes artistas nacionais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/10/2016 07:04 / atualizado em 11/10/2016 12:34

Diego Ponce de Leon /-

Acervo Renato Russo / Ricardo Junqueira

 Ele estava em casa quando morreu. Era o começo da madrugada do dia 11 de outubro de 1996, quando Renato Russo não resistiu a complicações provocadas pelo vírus da Aids. O corpo pediu trégua e o país se despediu de um dos seus maiores ídolos. Acabava ali a jornada da maior banda da música nacional, a Legião Urbana. Vinte milhões de discos vendidos e, de fato, uma legião de fãs órfã.

 

Em vez de, mais uma vez, rememorarmos a trajetória do cantor e compositor, que saiu de Brasília e se transformou em um fenômeno nacional, talvez seja melhor abrir espaço para que os próprios legionários nos contem um pouco mais sobre a intrigante figura que foi Renato Russo. Duas décadas depois, ele ainda vende como poucos, ocupa as salas de cinema, rende peças de teatro e ganha ares messiânicos por parte dos fiéis seguidores da banda, que enxergam o grupo e, principalmente Renato, quase como uma religião.

 

Entre eles, talvez esteja o paulista Rogério Santos. “Eu conheci a banda em 1988, em um show no Ibirapuera”, conta. Foi o bastante para que Rogério inaugurasse um fã-clube dedicado ao grupo. Dedicação, inclusive, não faltou. Eles logos entraram em contato com a gravadora e estreitaram os laços. “A EMI começou a intermediar nossos contatos com a banda, até que o Renato nos conhece. Nosso primeiro encontro pessoal foi no show seguinte. Falamos sobre o fã-clube, que ele passou a reconhecer.”

 

A partir daí, Rogério manteve uma relação próxima com o cantor. Eles se falavam por telefone mensalmente e o próprio Renato se encarregava de enviar o material promocional da Legião para o fã-clube. Nessa época, Rogério recebeu um cartão de natal assinado por Renato, que ele guarda com carinho 20 anos depois.

 

Aos poucos, Rogério e outros integrantes do fã-clube começaram a ser tratados como parte da família legionária. Conseguiram acesso aos bastidores, receberam autorização para gravar os shows e acompanhavam uma parte significativa das turnês. Acabaram, de alguma maneira, participando da intimidade de Renato, Dado e Bonfá. “Estávamos lá quando Renato soube da notícia da morte do Cazuza. Queriam esconder a notícia dele. Depois ficou aquele clima, sem ninguém saber se o show de mais tarde seria mantido”, relembra.

 

Hoje, Rogério ainda nutre o mesmo carinho por Renato. Falar da Legião sempre o motiva. E não à toa: Rogério é dono de um dos maiores acervos relacionados ao grupo, com mais de 450 fotos próprias, infinitos discos, apresentações gravadas e singles. Aos 47 anos, Rogério alterna o cotidiano entre duas funções. Como representante comercial, paga contas. Mas, nas horas vagas, ele ainda cuida da paixão maior, a Legião Urbana. O fã-clube ainda existe: Legião Urbana Infinito. Pode procurar.

 

O menino 

 

Quem também teve a chance de manter uma relação ainda mais próxima com Renato Russo foi a carioca Cristina Valente, que trabalhou por anos como supervisora de imprensa na gravadora do grupo, a EMI. Ela participou, inclusive, do momento em que os meninos assinam o primeiro contrato. Dali em diante, Renato seria uma companhia constante.

 

Cristina pôde conhecer Renato na íntegra, e não somente o homem em cima do palco. “Conviver com Renato era meio difícil naquela época, porque ele bebia muito. Era punk, literalmente. Mas sempre tivemos muitas afinidades. Tanto que me elegeram para acompanhá-lo em programas de tevê e nas viagens promocionais”, recorda.

 

Ela teve a oportunidade de testemunhar um dos mais trágicos episódios da banda, principalmente na memória do brasiliense, o fatídico show de 1988 no Mané Garrincha, que gerou uma rebelião pela cidade. “Deu toda aquela confusão. Depois, no hotel, ele foi se encontrar com os jornalistas, entre eles Arthur Dapieve e Beatriz Coelho. Ainda espantado, ele disse que nunca mais faria show em Brasília”. Como se sabe, Renato cumpriu a palavra.

 

Ao falar do compositor e poeta, principalmente às vésperas do aniversário de morte, Cristina acaba por fazer um depoimento, que define bem quem era Renato Manfredini Júnior: “Doce, maluco e inteligente, acima de tudo. Todos enxergavam nele uma luz, um caminho. Quando penso em Renato, lembro de um menino gentil, amável, mas com uma personalidade forte. Um gigante do bem, que só se destruía. Ele era destrutivo sim. Mas eu o tenho em grande conta”.

 

 

» Depoimento

 

Objeto de estudo

 

Diego Ponce de Leon 

 

Mesmo após duas décadas de morte, Renato Russo segue nos surpreendendo com materiais inéditos. Fala-se em canções ainda não conhecidas, inclusive. Oficialmente, temos confirmada a publicação dos diários escritos pelo líder da Legião, no decorrer dos próximos anos. O primeiro, Só por hoje e para sempre, redigido durante um período de reabilitação, chegou aos leitores em 2015.

 

Surpreende ainda a quantidade de teses acadêmicas que se debruçam sobre Renato Russo. Na Universidade de Brasília (UnB), a doutora Sylva Cyntrão ajuda a manter o legado de Renato pelos corredores da universidade. A doutoranda Julliany Mucury, por exemplo, pesquisa o valor literário da obra de Renato e espera credenciá-lo como escritor no seio acadêmico.

 

No Instituto de Artes, mais especificamente no Departamento de Artes Cênicas, corre uma dissertação de mestrado inédita sobre Renato Russo, que investiga, analisa e explora todos os elementos presentes no espetáculo A verdadeira desorganização do desespero, escrito por Renato em 1982. A tese foi proposta por este jornalista e crítico de teatro que vos escreve.

 

Em 2013, o Correio revelou ao público o lado dramaturgo de Renato Russo, até então desconhecido, em uma grande reportagem que tive a chance de conduzir. Raríssimos exemplares do espetáculo (são menos de 10) permaneciam sob os cuidados da família e de amigos muito próximos. Tive acesso ao material e, assim, esbarramos com a oportunidade de acrescentar mais um ofício à jornada de Renato: a dramaturgia.

Mais do que isso, a reportagem encontrou duas páginas da peça que eram consideradas perdidas, até mesmo pela família. O espetáculo, jamais montado, está completo. Por enquanto, motiva um mestrado. Mas, quem sabe, logo provocará filas pelos teatros do país. Talvez seja essa a grande surpresa de uma herança ainda a ser descoberta.  

 

 

// Vídeo

Dentro da temática das teses acadêmicas, vale conferir o registro de um encontro promovido pelo legionário Paulo Castelo, fundador do grupo Memorial Renato Russo e articulador de movimentos relacionados à Legião Urbana em Brasília:   

 

 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade