SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Associação Vila dos Sonhos promove espaço de convivência cultural

O grupo desenvolve oficinas nas escolas, saraus, música, dança, grafite e basquete e vem construindo uma rede do bem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/10/2016 07:30

Tauan Alencar/Divulgação


Aquela famosa frase que diz que “a arte salva” representa bem o trabalho que a Associação Vila dos Sonhos faz na região da  QNQ, de Ceilândia. Baseado em elementos do hip-hop, o grupo desenvolve oficinas nas escolas, saraus, música, dança, grafite e basquete e vem construindo uma rede do bem que é referência para jovens da comunidade.

A Associação Vila dos Sonhos surgiu em 2010 com um grupo de professores que desenvolvia projetos dentro das escolas da região. O trabalho deu certo e os professores perceberam que seria necessário ultrapassar os limites da escola. Foi aí que recorreram a um grupo de jovens que já tinha muita referência na comunidade, nesse grupo estava o jovem rapper Dione Black, hoje presidente da associação. Pronto, o “bonde” estava formado e o trabalho começou a sair das escolas e ocupar a comunidade.

Ao assumir a associação, o grupo tinha um desafio: compreender de fato qual era seu público-alvo e as necessidades da comunidade. “Fomos até a região para fazer um diagnóstico nas comunidades da QNQ, Expansão, P Norte, QNR e Sol Nascente. Isso ajudou a comunidade a nos ver de uma forma muito positiva”, conta o presidente da associação.

Dione relata com emoção algumas situações nesses seis anos de trabalho: “O hip-hop tem esse poder de encantamento, de resgatar a auto-estima dos jovens, de ir no ponto essencial para tocar a juventude. Isso constrói um relacionamento muito bacana nosso com os jovens. A gente se torna mais especial por estarmos lá, por abraçar aquilo”.

Dione Black tem origem e história de vida parecidas com a dos atendidos pela Associação Vila dos Sonhos. O jovem começou a se interessar pela música quando ainda era criança. Aos 10 anos de idade se reunia com os irmãos mais novos, que ainda não sabiam ler, e lia as letras de rap para eles decorarem e cantarem junto com ele. O primeiro grupo de Dione surgiu em 1994. Com o nome de Pregadores da Paz, os rappers cantavam mensagens de sonho e resistência incentivando os jovens a buscar caminhos do bem. Desde então o jovem não saiu mais do rap.

Referência
Para ajudar a se manter na música e no trabalho como voluntário na Associação Vila dos Sonhos, Dione trabalha como vigilante: “É uma rotina muito corrida, mas foi a profissão que eu encontrei para conciliar com a vida familiar e me dedicar à música. É corrido mas fico feliz quando vejo que minha vida serve como referência boa para outros jovens”, afirma o rapper.

O trabalho que interfere no caminho de jovens da comunidade ajudando-os a fazer boas escolhas é organizado por quatro diretores, três conselheiros e três suplentes eleitos pela comunidade para assumir a direção da Associação Vila dos Sonhos. Todos os membros são voluntários.

Seis anos depois do início de tudo, o grupo tem retornado às escolas com oficinas que fazem parte das atividades do Sarau Nacional Elemento 5, promovido pela associação e pelo produtor cultural Maurício Mário do Nascimento. O sarau envolve atividades ligadas ao mundo do hip-hop e reivindica o basquete de rua como o quinto desses elementos. Com oficinas formativas de break, beat box, percussão, danças matutas e outras, o grupo oferece arte, cultura e exemplo aos jovens da comunidade.

“Eu acredito que esse trabalho é importante para a juventude aqui não só pelo diálogo que a gente faz mas pela maneira que a gente se veste, se comporta e se comunica. Não apenas ficar dando conselhos, mas servir de espelho, ser um referencial da cultura deles, para que eles se reconheçam”, afirma o rapper Dione Black.

 

 

 

 

 

 

 

 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade