SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Conheça os bastidores da produção de séries feitas pela Warner

Visitamos os sets de 'Supergirl', 'Legends of tomorrow', 'Frequency' e 'The 100', além de 'Riverdale' - série inspirada na HQ de Archie, prevista para 2017

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/10/2016 07:46

Diário de Pernambuco

Warner/Divulgação

Vancouver (Canadá) -
O boom de seriados parece ser um caminho sem volta. Se, no Brasil, a atenção voltada ao formato é um interesse de anos recentes, o investimento do gênero é caso antigo na televisão norte-americana. O mercado é fértil, assim como a variedade temática - somente em 2015, foram produzidas 409 séries originais e uma era chamada de Peak TV, caracterizada justamente pela diversidade, mistura de formatos e multiplicidade das plataformas de exibição.

Os aspectos geram um efeito direto na dimensão de público alcançada. Nesse cenário, adaptações de HQs, com histórias de super-heróis, por exemplo, costumam ser observadas como um produto em potencial pelos realizadores. Histórias ambientadas no pós-apocalíptico também rendem apostas constantes, assim como enredos com relações familiares estão sempre em evidência.

A convite da Warner Channel, visitamos os sets de Supergirl, Legends of tomorrow, Frequency e The 100, além de Riverdale - série inspirada na HQ de Archie, prevista para 2017. Os cinco seriados têm perfis e públicos distintos, mas convergem para a questão geográfica. Todos são filmados em Vancouver, no Canadá, onde se encontra o estúdio do canal norte-americano CW. Espécie de “hollywood canadense”, a cidade é cenário de produções conhecidas do cinema, como O sexto sentido, Crepúsculo e 50 tons de cinza, e da televisão, como Supernatural e The Flash, ainda que o enredo das tramas não seja ambientado no local.

Frequency, nova série da CW, por exemplo, é passada em Nova York, em dois períodos diferentes - na década de 1990 e atualmente. “A parte mais desafiadora é fazer com que Vancouver se pareça com Nova York. Há muito a esconder, muitos aspectos da estrutura de Vancouver para camuflar, muitos prédios bonitos, iluminados, de vidro, para transformar em prédios cinzas e marrons”, explica Ryan Curtis, responsável pelos efeitos visuais da série.

Nesse caso, segundo ele, é preciso encontrar locações que facilitem o processo. Por exemplo: Gastown, parada obrigatória dos turistas, é um dos locais que mais se assemelha a Nova York. “É uma das partes mais antigas de Vancouver e funciona bem para nós”, exemplifica. A produção estreou no início de outubro, nos Estados Unidos, mas está prevista para 2017 no Brasil.

Frequency parece mesmo ocorrer em Nova York. “Eu gosto de brincar com os panos de fundo. Em alguns momentos, nós precisamos construir fotografias de três dimensões, prédios, construções, parques, árvores. Nossa equipe tem uma boa relação com Nova York, então conseguimos identificar os elementos que melhor harmonizam com os aspectos de lá”, complementa Curtis, que também já atuou nos bastidores de Supernatural e Lúcifer.

Painéis gigantes, que equivalem a uma cortina, cobrem paredes dos estúdios, como imagens que simbolizam o contexto ficcional. Em Supergirl, por exemplo, o lado externo do set da redação é marcado por uma imagem imensa de espigões da National City, onde a trama se passa. Em Legends of tomorrow, também há uma imagem enorme da paisagem do lado externo do transporte - utilizado para a viagem no tempo da série.

Vancouver é território novo para Supergirl, que passou por uma mudança geográfica e estrutural para a segunda temporada - estreia no dia 26 no Warner Channel. Após a transição do canal CBS para o The CW - ambos são do mesmo grupo -, a série deixou de ser filmada em Los Angeles e se mudou para Vancouver. A transição rendeu resultado positivo para o canal. Exibido na última terça-feira, o primeiro episódio foi visto por mais de 3 milhões de espectadores, o triplo da audiência registrada na faixa do novo canal.

Os sets de filmagem são indústrias em busca de criações verossímeis. A riqueza de detalhes impressiona. A redação de Supergirl, por exemplo, possui desde post-it espalhados, televisões que reproduziam notícias falsas, a uísques disponíveis na sala da diretora do jornal fictício. Em Frequency, o desafio maior é caracterizar com fidelidade o ano 1996, com fitas de filmes VHs e aparelhos de telefones da época. No episódio piloto, inédito ainda no Brasil, até a música Wonderwall, de Oasis, foi utilizada contextualizar para a atmosfera da época.

O tempo de construção de sets de filmagem é variável. Pode ser concluída em um mês ou ser mais duradouro. Depende da complexidade e do que é preciso para erguê-lo. No caso de The 100, série em que há constante mutação geográfica, existe até uma caverna artificial no set. “Quando fomos construir Polis, a gente nem tinha o set pronto até gravar o terceiro episódio”, observou o designer de produção do seriado, James Philpott. (Fernanda Guerra) 

A repórter viajou a convite da Warner


409
Quantidade de séries produzidas pela Warner Channel em 2015

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade