SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Contadora de histórias, Nyedja Gennari evoca cultura negra no Terraço

Profissional em despertar o interesse da leitura nos pequenos, ela se apresenta na Praça das Palmeiras do Terraço Shopping, às 16h

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/11/2016 12:00 / atualizado em 18/11/2016 11:48

Rebeca Oliveira /

Telmo Ximenes/Divulgação

A cuiabana radicada em Brasília Nyedja Gennari acredita na máxima de Mário Quintana que sentencia: “Os livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas". Por isso, há mais 20 anos, a professora da rede pública de ensino do DF se dedica à contação de histórias, dentre as quais aquelas que destacam e enobrecem a cultura negra.

 

Neste sábado (19/11), às 16h, como parte da programação que lembra o Dia Da Consciência Negra, celebrado no domingo (20/11), Nyedja Gennari falará sobre os griôs, contadores de histórias africanas.

 

Ela também ensinará os pequenos a confeccionarem bonecas negras na Praça das Palmeiras, no Terraço Shopping. 

 

“A criança não é dotada de preconceito, eles aparecem à medida que vamos crescendo. Ela pode crescer e tornarem-se adultos mais conscientes, fincados na palavra respeito, se entenderem desde cedo que somos todos dignos, independente de qual etnia pertencermos”, acredita.

 

Uma das formas de encantar os leitores mirins são as atividades lúdicas interativas, como a de ensinar a fabricação de boneca Abayomi. “As escravas rasgavam a barra dos vestidos e, com nós e algumas tranças, faziam bonecos sem olho e boca, para mostrar que éramos todos iguais. Elas as davam as crianças para que elas não chorassem. As bonecas funcionavam como um amuleto para aqueles pequenos que, em muitos casos, acabavam órfãos”, comenta a contadora, que se apresenta todos os sábados, no mesmo horário e local, e domingos, às 11h, no programa As minhas e as outras estórias, na Rádio Federal.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade