SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

'Sou filho da lua' traz MC Guimê mais maduro e eclético

Cantor lança primeiro álbum físico da carreira e mistura estilos nas composições

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/11/2016 07:32

 

Quem conheceu MC Guimê em versos como “contando os plaquê de 100 dentro de um Citroen” se surpreenderá com o primeiro disco do cantor. Deixando um pouco de lado o funk ostentação que o lançou em 2012 com Tá patrão e Plaquê de 100, ele apresenta composições mais maduras e mistura estilos em Sou filho da lua. “Eu gosto de quebrar barreiras e trouxe aquilo com o que me identifico, coisas que me inspiram, que as pessoas não esperavam. Não é só rap, só funk ou só pop, é tudo isso e mais um pouco”, explica Guimê.

Sou filho da lua
traz 16 faixas inéditas e compostas especialmente para esse trabalho. Mas os fãs puderam sentir o gostinho das novidades um pouco antes do lançamento oficial: o MC liberou três músicas na internet. “Lancei os singles Vila la vida, Fatuário e Não roba minha brisa antes, mas elas foram escritas para o álbum.”

As canções do disco mostram um novo momento de Guimê e chegam para atingir diferentes públicos. Aos 23 anos, ele está noivo da cantora de funk Lexa e coloca experiências pessoais em letras mais regradas. O álbum fala de coisas que o compositor viveu e também que podem acontecer no futuro, tudo isso numa mistura de ficção e realidade.

Fatuário é uma canção que fiz para a Lexa e tem uma pegada mais romântica. Já Cadê a mina vem com essa ideia de ficção e realidade muito clara. Ela fala de uma mina que chega no rolê, mas é escrita com base em situações vividas, coisas que a gente vê sempre por aí”, completa o artista.

As composições também revelam a preocupação dele com os fãs. Com admiradores que vão de crianças a adultos, o cantor escolheu trazer músicas que possam ser tocadas na balada ou numa festa infantil. Além disso, ele emprega o que chama de “estilo MC Guimê”, uma mescla de ritmos e estilos para fazer com que todos possam curtir o som, deixando de lado o gosto por algo específico e se apegando às músicas no sentido emocional.

Parcerias

Uma das marcas do disco é a quantidade de participações. Depois de dividir o palco com diversos artistas, ele convidou alguns parceiros e amigos de longa data, que compartilham os vocais em 11 das 16 músicas que compõem Sou filho da lua. Entre eles, Claudia Leitte, Negra Li, Mr Catra e Tropkillaz.

Marcelo D2 também está no álbum e divide Cadê a mina. Também são destaques os rappers Rael e Emicida, que emprestam as vozes em Sampa. Outra participação de destaque é a de MC Lon na canção Aliados, que também conta com MC Rodolfinho. “Quando comecei a cantar, eu tinha o MC Lon como inspiração e nunca imaginei que fosse conhecer o cara. Hoje nós somos amigos, irmãos de alma”, destaca Guimê.

O hino da Copa

Nas rádios e nas ruas, a música País do futebol foi o verdadeiro hino da Copa do Mundo de futebol de 2016. A parceria com o rapper Emicida também ajudou a alavancar a carreira de MC Guimê e fez o cantor conquistar admiradores Brasil afora. A música fala sobre os talentos nascidos dentro das favelas de São Paulo e faz alusão ao jogador Neymar, que é um exemplo claro disso e aparece no clipe do single: “No flow, por onde a gente passa é show/ Fechou, e olha onde a gente chegou/ Eu sou... País do Futebol Negô/ Até gringo sambou, tocou Neymar é gol!”

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade