Depois de polêmica, filme da Netflix estreia com vaias em Cannes

A exibição de Okja, longa com Tilda Swinton e Jake Gyllenhaal, sofreu problemas técnicas e chegou a ser interrompida

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/05/2017 11:34 / atualizado em 19/05/2017 11:40

Laurent Emmanuel/AFP

 
O filme Okja, do sul-coreano Bong Joon-ho, o primeiro da Netflix a disputar a Palma de Ouro, teve sua primeira exibição nesta sexta-feira (19) em Cannes marcada por um incidente, com uma interrupção de vários minutos por um problema técnico. Na primeira exibição do filme no Grande Teatro Lumière do Palácio do Festival, a cortina não estava completamente suspensa sobre a tela e tapava uma parte da imagem, como por exemplo a cabeça da atriz principal, Tilda Swinton.

Na sala, na qual a expectativa era grande para a projeção aguardada e polêmica, algumas vaias e aplausos foram registrados para alertar os técnicos. "Isto não foi realmente feito para o cinema", ironizou um espectador em referência à plataforma de streaming, enquanto outro criticava um "bando de incompetentes". A exibição foi retomada após oito minutos de interrupção. Quando o logo da Netflix apareceu durante os créditos, algumas pessoas na sala aplaudiram.

Desde o anúncio da seleção de Okja e de outro filme produzido pela Netflix - The Meyerowitz stories, do americano Noah Baumbach, que será exibido domingo (21) -, para a mostra oficial de Cannes, a plataforma americana enfrenta a revolta dos defensores das salas de cinema. A gigante do streaming, que tem 100 milhões de assinantes, não pretende exibir os dois filmes nas salas de cinema francesas. A situação provocou irritação entre os puristas da sétima arte e o circuito exibidor francês.

Pressionados, os organizadores do festival mudaram as regras para exigir, a partir de 2018, que todo filme na disputa pela Palma de Ouro se comprometa a ser exibido nas salas francesas. Na quarta-feira (17), o presidente do júri desta edição do festival, o espanhol Pedro Almodóvar, voltou a comentar a polêmica. O cineasta de 67 anos afirmou que a Palma de Ouro deveria ser exibida nas salas de cinema.

"Seria um enorme paradoxo que a Palma de Ouro ou qualquer outro prêmio entregue a um filme não possa ser assistido nas salas de cinema", disse. O ator norte-americano Will Smith, membro do júri, teve uma postura mais conciliadora. "Netflix é útil em meu país porque permite que as pessoas assistam a filmes que, de outra forma, nunca teriam acesso", declarou, sem revelar que seu próximo longa-metragem, Bright, será produzido pela cada vez mais poderosa plataforma de streaming.
 

Sobre a história de Okja 

 
Okja, filme de fantasia, que será disponibilizado pela Netflix em 28 de junho, conta a história da amizade entre uma menina e um grande animal, geneticamente modificado, que uma multinacional deseja capturar. A britânica Tilda Swinton e o norte-americano Jake Gyllenhaal são os protagonistas do segundo filme americano do sul-coreano Bong Joon-ho, depois de Expresso do amanhã.
 

"É um filme muito político sob a aparência de comédia, que trata sobre a forma como são explorados os animais", disse Thierry Frémaux, delegado geral do festival. O presidente da Netflix, Reed Hastings, escreveu no Facebook na semana passada, em plena polêmica, que Okja é "um filme incrível, cuja participação na competição de Cannes as salas de cinema querem impedir".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.