Primeiro pornô exibido nos cinemas, Garganta profunda completa 45 anos

O filme estrelado por Linda Lovelace foi o mais lucrativo do gênero e inspirou o nome do delator do caso Watergate no Washington Post

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/06/2017 14:25 / atualizado em 12/06/2017 14:31

 Imagine Entertainment/Divulgacao

Enquanto os namorados pensam em como tornar esta segunda mais especial para seu amor e os solteiros leem as sugestões de "X coisas para fazer no dia dos namorados se você está solteiro", um ícone do cinema completa 45 anos. Em 12 de junho de 1972, o primeiro filme com cenas de sexo explícito estreou numa sala de cinema, era Garganta profunda, do ex-cabeleleiro Gerard Damiano.  

 

O pornô quebrou parâmetros e foi um sucesso na época. No enredo, a atriz Linda Lovelace se torna uma mulher infeliz que nunca tinha sentido prazer no sexo. A explicação? Seu clitóris era localizado no fundo da garganta. Daí ela passa a buscar homens bem dotados para encontrar o ápice do prazer no sexo oral. 

 

A história foi uma das primeiras a tirar o homem do protagonismo de prazer e discutir as necessidades femininas. Na época, muitos grupos conservadores se manifestaram contra a exibição, devido às discussões levantadas e a forma natural como o sexo era exibido. O filme foi proibido em 23 estados americanos, mas, como outros longas do gênero, circulou de forma clandestina. 

 

Com orçamento de US$ 25 mil, o que era alto para o gênero, o filme foi financiado por uma família da máfia norte-americana e rendeu cerca de US$ 600 milhões no faturamento total. O sucesso do longa inspirou a criação do pseudônimo do delator do caso Watergate. Na publicação do The Washington Post, William Mark Felt era o Garganta Profunda.

 

O pornô foi tema, em 2005, de um documentário intitulado Por dentro do Garganta profunda. Ele trazia detalhes sobre os bastidores e repercussão do filme. 

 

Curiosidade

Na década de 1980, Linda Lovelace entrou para igreja, passou a militar contra a pornografia e acusou o ex-marido, e agente, Chuck Traynor de violência doméstica e exploração sexual. Ela chegou a declarar que cada vez que alguém assiste ao filme está assistindo ao estupro dela, pois a participação teria sido forçada por Traynor. As acusações de Linda, no entanto, nunca foram provadas. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.