Cineasta francesa Noémie Saglio reclama de preconceito com comédias

No festival Varilux deste ano ela traz Tal mãe, tal filha, com Camille Cottin e Juliette Binoche

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/06/2017 06:30

Rogério Resende/Divulgação
 

A diretora Noémie Saglio reclama que, na França, filmes de comédia não são bem-vistos. E se a bilheteria fora grande, são mais discriminados ainda pelos intelectuais do cinema. Se filmado por uma mulher, o cenário piora ainda mais. Por isso, Noémie acredita que suas comédias são um pouco como uma resistência. No Festival Varilux, que vai até amanhã, ela apresentou Tal mãe tal filha, com Camille Cottin, de quem é muito amiga, e Juliette Binoche, que serve como isca neste filme sobre mãe e filha que engravidam ao mesmo tempo. "A ideia era fazer uma comédia de mulheres sobre a maternidade e eu me disse o` que há de mais forte que uma mãe e uma filha que engravidam ao mesmo tempo?", conta a diretora, que já esteve em edição anterior do festival com Beijei uma garota.



Noémie queria ainda que mãe e filha tivessem cerca de 30 e 50 anos para evidenciar a personalidade das personagens. Binoche é a mãe sustentada pela filha, um tanto irresponsável e desleixada. Cottin é a menina certinha, estabelecida na vida, que vai dar o passo seguinte no relacionamento estável ao decidir engravidar. O filme, que volta em cartaz em agosto, passa ao largo das comédias chamadas de “haussmanianas”, marcadas pela intensidade de diálogos e muitas cenas internas com os personagens que sentam e falam o tempo inteiro.

Noémie investiu em muitas cenas de rua, mas também em uma boa quantidade de clichês, especialmente na construção da personagem de Binoche, sempre vestida com camisetas de bandas de rock e equipada com uma vespa. “Essa comédia é mais americana e mais doce também. Tem muita comédia na França que é apenas engraçada. As minhas são mais doidinhas, mais comoventes“, acredita a diretora. Para Camille Cottin, é importante valorizar o gênero cinematográfico, especialmente porque ele também reflete questões de gênero. “Não tem muitas mulheres que fazem comédia. Acho que os homens são mais inclinados nessa coisa do humor puro e claro, com algumas exceções, mas tem mulheres que gostam de fazer apenas humor. E Noémie gosta de misturar humor e emoção”, avisa a atriz.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.