Com documentos exclusivos, Correio relembra outra faceta de Renato Russo

Documentos revelam detalhes da passagem do cantor Renato Russo pela emissora dos Diários Associados e dos programas apresentados por ele

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/07/2017 07:43 / atualizado em 13/07/2017 10:48

Pacífico/CB/DA Press
Pouca gente se lembra, mas o cantor e compositor Renato Russo foi radialista. Apesar de a agenda atribulada de compromissos com a Legião Urbana impedirem que continuasse na carreira, o trovador solitário foi locutor de três programas radiofônicos na Planalto FM no início da década de 1980.

Documentos exclusivos — obtidos com auxílio do pesquisador do Centro de documentação do Correio Braziliense (Cedoc) Chico Lima Filho — revelam detalhes da passagem do cantor pela emissora dos Diários Associados e dos programas apresentados por ele. A carta com o pedido de demissão (por causa da banda recém-criada) e o registro de empregado do cantor, por exemplo, apresentam datas e as razões alegadas por Renato para deixar a função de locutor.

Renato Manfredini Jr., revelam os documentos, foi admitido na Planalto FM em 1 de outubro de 1983, uma segunda-feira. Segundo o registro de empregado da emissora, Renato trabalhava das 9h às 14h e recebia  salário mensal de cento e dois mil, setecentos e vinte cinco cruzeiros.

O legionário começou com o programa Primeira Classe. Veiculada diariamente às 12h, a atração focava em oferecer aos ouvintes, no horário do almoço, temas orquestrados e instrumentais. “Para um merecido relax durante o almoço, o melhor das interpretações orquestradas e instrumentais, das grandes composições de todos os tempos”, dizia a apresentação do programa.

No repertório, estavam Michel Legrand, Paul Mauriat e Mantovani, ao lado de grandes nomes do jazz como Oscar Peterson, Count Basie, Duke Ellington e Alberta Hunter. O programa tinha locução de Renato, mas a programação era feita pelo radialista Márvio de Mattos.

Depois, Renato começou a apresentar With The Beatles, produzido pelo próprio cantor. Na atração, que ia ao ar às 9h, ele aproveitava o conhecimento e a paixão pelo quarteto de Liverpool para apresentar clássicos da banda ao público.

 Reprodução/Divulgação


Irmã do cantor, Carmem Manfrendini guarda algumas lembranças do período, principalmente de With The Beatles. “Ele gostava muito. Naquela época, ele já era professor e se preparava muito para os programas. Era sempre como se ele estivesse planejando uma aula, ele elaborava tudo como se sempre fosse fazer uma apresentação na sala de aula”, conta.
 
 Reprodução/Divulgação
 

Além de Primeira classe e With The Beatles, Renato também apresentava um programa dominical. Das 10h às 14h, ele era responsável por Reprise, em que tocava clássicos nacionais e internacionais dos anos 1960. “Reprise —  Para quem tem saudade de muito bom gosto” era o slogan da atração.

A carreira de Renato na Planalto durou até dezembro do mesmo ano. A carta de demissão do cantor, um dos documentos obtidos pelo Correio, é datada de 9 de dezembro de 1983, uma sexta. No comunicado, datilografado, Renato explica as razões da saída.
 

Escolha pela música

“Sou levado a esta atitude em face de compromissos de caráter artístico, junto ao conjunto musical Legião Urbana, que me obrigam a constantes ausências desta capital”, escreveu o cantor. Renato acreditava que o trabalho com a banda prejudicaria a programação da rádio.

“Embora desejoso de continuar colaborando com esta rádio, sou forçado, então, a solicitar minha demissão”, escreveu o cantor. Além disso, ele agradecia e pedia desculpas no documento: “Aproveito a oportunidade para agradecer a confiança em mim depositada e me desculpar por quaisquer problemas ocorridos durante minha estada e trabalho junto à Planalto FM.”

Naquele ano, os constantes shows da Legião Urbana, em São Paulo e no Rio de Janeiro, ocupavam a agenda do músico. Quando o líder pediu demissão, a banda havia acabado de assinar com a EMI-Odeon, que lançaria o primeiro disco do grupo em 1985.
 
 Reprodução/Divulgação
 
 

A seleção

Em um trecho da biografia Renato Russo — O filho da revolução, o jornalista Carlos Marcelo conta como o cantor assumiu o posto na Planalto FM. A emissora procurava, à época, locutores com facilidade na pronúncia de nomes estrangeiros. Para encontrá-los, a rádio fez anúncio nos classificados do Correio.

Quinze candidatos, conta o jornalista, foram entrevistados para a vaga. Renato foi o terceiro deles. A comissão de seleção incluía o diretor-executivo da emissora Ari Cunha Filho. A pronúncia absolutamente perfeita do cantor chamou a atenção. Além disso, ele escolheu ignorar o roteiro e trocar “próxima música” por “próxima canção”. Ari teria achado a troca elegante e decidiu contratá-lo naquele momento.

A princípio, Renato apresentaria apenas o Primeira Classe. Depois, porém, ele sugeriu a Ari o programa sobre Beatles. A proposta foi aceita e With The Beatles passou a ser veiculado às 9h na Planalto. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.