Filme de Clint Eastwood será estrelado por soldados reais

'The 15:17 to Paris' é a nova aposta do diretor e ator. Filme reflete carreira histórica de um dos maiores nomes de Hollywood

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/07/2017 11:47 / atualizado em 24/07/2017 16:00

VALERY HACHE

 
Eastwood é um dos sobrenomes mais potentes do mundo cinema. O caubói que fez a história em Hollywood– com um herói de guerra bem definido e a defesa da comunidade norte-americana a todo custo –, Clint Eastwood se prapara para outra novidade na industria do entretenimento: a escalação de não atores para estrelar uma superprodução.

Tudo bem, a ideia não é muito nova, mas a promessa é que o californiano de 87 anos irá atualizá-la. Seu próximo filme, The 15:17 to Paris irá contar a história de três soldados norte-americanos que impediram um ataque terrorista em um trem nos limites da capital francesa, mas os heróis não precisarão de atores. Os militares serão interpretados por eles mesmos.
 
KEVIN WINTER
 
 
E o trio Anthony Sadler, Alek Skarlatos e Spencer Stone não foram escolhidos por acaso. Segundo informações do portal Variety, Eastwood fez uma audição com vários atores classe-A de Hollywood mais os três soldados, e acabou preferindo os militares. Ainda segundo o portal, o filme será dividio em duas partes: o passado e o futuro dos três homens, desde a infância até o momento que mudou a vida deles.

O filme marcará uma nova experiência para o cineasta. Clint Eastwood já assinou obras que deixaram marcas eternas no entretenimento e  se por um lado sua polêmica possição política causa críticas (Eastwood é um republicano, com apoio a Donald Trump)  sua carreira é praticamente uma unanimidade.

A Carreira: 

A história de Eastwood no cinema foi iniciada depois de uma tragédia. Após ser convocado para o exército em 1950, o avião do ator - que seguia para a Coreia - caiu ainda na costa norte-americana. Clint se salvou, depois de nadar até a praia gravemente ferido.

Os primeiros grandes papéis de Eastwood foram na série Maverick e na produção Rawhide de 1959. A carreira de ator estava decolando rumo à tevê quando o ator deu vida ao "homem sem nome" na trilogia de filmes Por um punhado de dólares (1964), Por uns dólares a mais (1965) e Três homens em conflito (1966), de Sergio Leone. O papel, de um caubói de faroeste durão, levou Eastwood à fama mundial. 
 


O próximo grande passo na carreira veio nos anos 1970. O filme de guerra Kelly's Heroes colocou Clint no set com o diretor Don Siege. O encontro foi importante porque rendeu à dupla mais 10 filmes durante toda a década, sendo o maior o clássico Dirty Harry. Sucesso de bilheteria, Dirty Harry originou mais quatro seguências (Magnum Force, 1973; The enforcer, 1976; Sudden impact, 1983; The dead pool, 1988).
 
KEVIN WINTER


Breezy (1973) marcou o primeiro filme que Eastwood dirigiu e não atuou, depois de abrir sua própria companhia de filmes.  Até 1980, Clin já havia estrelado filmes como The Gauntlet (1977), Every whick way but loose (1978) e Escape from Alcatraz (1979).

Na década de 1980, Eastwood - após alcançar sucessos de bilheterias - achou o caminho das grandes premiações. Bird (1988) rendeu ao cineasta uma indicação à Palma de Ouro no Festival de Cannes, enquanto Heartbreak Ridge (1986) e Tightrope (1984) foram bem recebidos pela crítica.
 


A década de 1990 foi marcante para Eastwood. Seu último filme faroeste foi exibido com o título de Unforgiven (1990), e recebeu nove indicações ao Oscar, ganhando quatro, inclusive de Melhor Filme.
 


Nos anos 2000, Clint Eastwood gravou vários outros sucessos de bilheteria e de crítica, como Cowboys do espaço (2001), Million dollar baby (2004) e Gran torino (2008). O útlimo filme de Eastwood foi Impossible odds, que contará a história do resgate de uma profissional de saúde sequestrada na Somália. A data de lançamento do filme ainda não está confirmada. Já The 15:17 To Paris está apenas em pré-produção.
 

 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.