Fábio de Sousa lança biografia da escritora Lucia Miguel Pereira

Primeira biógrafa de Machado de Assis, sua obra continua referência obrigatória para os estudos machadianos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/07/2017 07:34 / atualizado em 28/07/2017 19:09

Arquivo Pessoal

 
Moça também bem-nascida, menina do Sion, o mais prestigioso colégio para moças finas do Rio de Janeiro, Lucia Vera Miguel Pereira (1901-1959)  poderia ter sido na infância uma pequena tirana voluntariosa.  Na juventude poderia ter sido o “broto do ano” da sociedade carioca, e mesmo na maturidade, uma bela “rainha do lar”, uma vez que era muito bonita; pois esse era o contexto social em que vivia.

No entanto, desenvolveu a sua individualidade, o seu talento natural para as coisas do espírito. Bela e inteligente, foi neste segundo predicado que ela acreditou. Optou pelo silêncio e solidão que o ofício da escritura impõe àqueles que só veem sentido e graça na luta com as palavras, subjugando-as, domando-as pela cauda vida afora. Escolheu pensar. “Pensar ainda é a melhor forma de viver”, disse Lucia. 

E, desse modo, dedicando-se aos estudos, colocou seu nome no lugar mais alto do pódio dos escritores nacionais. Primeira biógrafa de Machado de Assis, sua obra continua referência obrigatória para os estudos machadianos. Biógrafa também de Gonçalves Dias, pequeno grande homem da nossa literatura. E ela fez muito mais...
 

Depoimentos
Quem nos conta tudo isso é Fabio de Sousa Coutinho em Lucia – Uma biografia de Lucia Miguel Pereira, (Brasília: Outubro edições), livro trabalhado com o rigor da pesquisa acadêmica e com o auxílio dos depoimentos da família, da qual faz parte. Fabio nos dá uma obra que só ele poderia dar, pois o que ouviu dos parentes foram depoimentos pessoais da maior relevância.

Nessa obra de leitura tão agradável quanto esclarecedora, acompanhamos a trajetória de Lucia, do nascimento à morte trágica ao lado do marido, o bem-amado Octávio Tarquínio de Sousa. Lucia e Octávio conheceram a felicidade como poucos. Viveram uma grande paixão amorosa e uma grande paixão feita de palavras escritas em forma de jornal, revistas e livros. E de companheirismo e admiração mútua.

Ela, que se encantou com a rara comunhão de Machado de Assis e dona Carolina, teve também o privilégio de assim viver com o companheiro perfeito numa casa com rica biblioteca, cujos livros, remédios da alma, foram testemunhas silenciosas da vida de estudos dos dois escritores. Os amantes brasileiros foram felizes para sempre. Pois nem a morte os separou. Morreram juntos, tragicamente juntos.

Fabio põe toda sua emoção nessa história, que é também a de sua família de renomados escritores, a que ele honra e dá continuidade com significativa obra de jurista, escritor e leitor apaixonado. Ler a história de Lucia é conhecer a história da intelectualidade brasileira nas seis primeiras décadas do século 20; é acompanhar a formação e a trajetória de uma escritora de talento ímpar.

Lucia foi mordida pela mosca da literatura ainda criança, pois menina cheia de imaginação, já criava suas estórias. Grande leitora, não demorou para que se tornasse também escritora, autora de crônicas, romances, crítica literária, tradutora e grande biógrafa.

Diferentemente do irônico Brás Cubas, Lucia foi, sim, uma flor.  A flor dos Pereiras. Herdou da a disciplina, o gosto, o talento para a literatura, e recebeu a boa educação formal de uma jovem, mulher e escritora. E trilhou o próprio caminho. Uma felizarda. Até o amigo e vizinho Carlos Lacerda a chamou de flor...

Lucia cultivou a literatura e as flores, que ofertava aos amigos. E se pudesse ler o que Fabio escreveu sobre ela, modesta e discreta como era, talvez se espantasse e dissesse: “Essa mulher admirável, essa flor sou eu?”

Vera Lucia Oliveira é professora de literatura.

Lucia — Uma biografia de Lucia Miguel Pereira
De Fábio Coutinho/Outubro Edições 180 páginas


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.