'Favela Olímpica' e 'Era uma vez Brasília' filmes brasileiros em Locarno

O primeiro um documentário que narra a destruição da Vila Autódromo e o segundo uma ficção científica na capital

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/08/2017 10:24 / atualizado em 09/08/2017 10:50

Divulgação

Locarno (Suíça) - O Brasil tem dois cartões-postais este ano, distribuídos neste Festival Internacional de Cinema, onde os escândalos da corrupção generalizada envolvendo os governos populistas de esquerda comprometeram a bela imagem de um passado ainda recente.

Um é o filme Favela Olímpica, feito por um suíço e o outro Era uma vez Brasília, selecionado nesta semana para o Festival de Brasília, logo depois de ter sido exibido aqui em Locarno. Na verdade, são dois flashes políticos, num momento de descrença externa e interna, ao mesmo tempo em que o cinema chileno, argentino e mesmo guatemalteco prosseguem no caminho da crítica, denúncia e não da convivência social respeitosa mas desigual entre brancos e negros, ricos e pobres de filmes brasileiros que parecem ter feito a opção do entretenimento.

Era uma vez Brasília utiliza uma ideia de ficção científica na sua parábola política, que vai entre a missão de um agente intergalático de matar o criador de Brasília, JK, e a deposição da presidente Dilma Rousseff por um parlamento ocupado por monstros, no que que seria o Ano Um, do pós-Golpe. A espaçonave do agente chega com um atraso de 60 anos e, em lugar da cidade recém-construída, desce na Ceilândia, habitada pelos descendentes dos antigos candangos. JK não é mais presidente e a capital vive um clima de manifestações entre discursos de Dilma e Temer ouvidos no som do filme, e a dificuldade e inabilidade da esquerda se organizar.

Rui Martins está em Locarno convidado pelo Festival Internacional de Cinema.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.