Quase quatro décadas sem o gênio de Glauber Rocha

Doente na Europa, o artista foi trazido, às pressas, para o Brasil, há 36 anos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/08/2017 11:17 / atualizado em 22/08/2017 13:56

Reprodução internet
 
 
 

Vinte um anos de produção, com início da carreira de cineasta pelo curta Pátio (1959), e um nome inscrito para a posteridade: Glauber Rocha. Há 36 anos, porém, este nomes indissociável ao movimento do Cinema Novo no Brasil, Rocha morria, em decorrência de complicações bronco-pulmonares. Em 6 de agosto, o artista foi internado num hospital perto de Lisboa. Em estado de extrema gravidade foi trazido de volta ao Brasil na noite do dia 20, em condições precárias. Chegou ao Rio de Janeiro no dia 21, sendo encaminhado para a Clínica Bambina (Botafogo). Morreu, na manhã seguinte. No emblemático cenário de Terra em Transe, o Parque Lage, o corpo do artista foi velado.


Relembre pontos altos da carreira de Glauber Rocha.



Barravento (1961)

 

 

 

Terra em transe (1962)

 

 

 

Deus e o diabo na terra do sol (1964)


 

A idade da Terra (1980)


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.