Em entrevista, Tom Zé fala da infância, tropicália e momentos da carreira

Neste fim de semana, ele é a atração principal do festival Quanto mais Tropicália melhor

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/08/2017 07:30 / atualizado em 31/08/2017 08:54

Antônio José Santana Martins, o menino de Irará, cidadezinha do sertão baiano, que se encantou pela cantiga via comunicação oral, chega aos 80 anos na condição de expoente da música popular brasileira. Com o nome artístico de Tom Zé, foi um dos pilares do movimento tropicalista, seguiu adiante e construiu uma obra reconhecidamente de vanguarda, mas, ao mesmo tempo, popular e ao alcance de todos.

Com 25 discos lançados — incluído dois gravados ao vivo — em cinco décadas de carreira, Tom Zé mantém-se em plena atividade. Seus shows, cada vez mais performáticos, atraem a atenção de um público variado que inclui desde estudantes universitários a pessoas que têm acompanhado a trajetória desse artista desabusado, capaz de gravar um álbum com o título de Canções eróticas de ninar.

Neste fim de semana, de volta a Brasília, onde costuma vir com alguma regularidade, ele é a atração principal do festival Quanto mais Tropicália melhor, que tem a participação da cantora paulista Céu, do grupo carioca Pedro Luis e A Parede e da banda mineira Patu Fu. A celebração vai ser na área externa do Centro Cultural Banco do Brasil, sábado e domingo, com shows às 18h. 

André Conti/Divulgação


Entrevista/ Tom Zé 

Aos 80 anos, o que você guarda do menino de Irará, no sertão da Bahia, que se encantou pela música por meio da comunicação oral?
Eu guardo, da infância em Irará, uma educação muito curiosa, uma educação moçárabe, e uma ausência completa de Aristóteles. A ciência diz que de zero a dois anos de idade se aprende com uma intensidade nunca mais igualada no resto da vida. Sobre isso, há até um filme de Alain Resnais. Era, realmente, comunicação oral e tinha vários núcleos de cultura concentrada: a Chegança, uma dança dramática na qual, repetindo a Idade Média, os cristãos lutam para expulsar os mouros; a Chanson de Roland, por cujo tema o cantor de desafio nordestino tinha respeito e paixão, etc, etc.


Foi na adolescência, depois de aprender a tocar violão, que se decidiu pela carreira artística?
Isso foi bem depois. Eu já tinha 17 anos ao comprar o primeiro violão, em Feira de Santana. Depois de ser um fracasso na música romântica, inventei de fazer uma espécie de jornalismo cantado no qual eu enumerava fatos e personagens da própria redondeza.


Lembra da primeira composição? 
Digamos que a primeira canção realmente aproveitada foi para um programa de calouros de Salvador, chamado Escada Para o Sucesso, em 1959. A canção se chamou Rampa para o fracasso. 


Quando e como foi o encontro com Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa e Maria Bethânia, em Salvador?
Foi em 1964, quando nos reunimos para fazer o show Nós por exemplo, na inauguração do Teatro Vila Velha.


Que lembrança guarda de Alcivando Luz, o virtuoso violonista barreirense que os acompanhava naquele show?
Alcivando Luz era um craque na harmonização. Caetano mesmo, já aqui em São Paulo, comentou que podia tê-lo trazido par formar um grupo mais sofisticado.


Já em São Paulo, o núcleo formado pelos artistas baianos encenou Arena canta Bahia, sob a direção de Augusto Boal. Que importância esse espetáculo teve na sua chegada à grande metrópole?
Arena Canta Bahia foi o momento em que Caetano começou a definir o projeto dele e de Gil, que resultou na Tropicália. Apesar de respeitar, ele não concordava com os pontos de vista estéticos de Augusto Boal. Até que ponto a conquista marcou sua trajetória


A vitória no Festival da Record, com São Paulo, meu amor te fez conhecido nacionalmente. Até que ponto a conquista marcou sua trajetória?
São Paulo, Meu Amor, do Festival da Record, na verdade não foi um sucesso nacional. Mas este aconteceu logo no ano seguinte, com Jeitinho Dela, Depois, veio Se o caso é chorar, em parceria com Perna.


O movimento tropicalista o teve como um dos criadores. Como avalia aquele momento histórico da música popular brasileira, que está completando 50 anos?
Quando Caetano fez “Sobre a cabeça os aviões/ sobre os meus pés os caminhões”, esse estilo de signo indicial, icônico, baixou em todas as antenas de rádio do país como uma rede social avant la lettre . Como a mente brasileira dos jovens tentava escapar da ditadura, acabou achando nesse fuzil semiótico uma perspectiva de futuro no qual não cabia uma ditadura.


Com uma obra invejável, acredita que a crítica e o público tem a devida dimensão da importância dela para a cultura brasileira?
Eu estudei na escola de música erudita, na Bahia. Quando fui  fazer música popular, entrei no ramo disposto a aceitar todas as regras do mercado. Embora não as tenha obedecido, estou muito satisfeito com a dimensão que alcançou e com o tratamento da crítica.


Qual a contribuição do cantor e compositornorte-americano David Byrne para a internacionalização do seu trabalho?
Quando David Byrne me procurou, eu ia largar a profissão. Porque desde 1971, o disco Todos os olhos me tirara completamente das mídias, e eu conseguia parcamente sobreviver porque a população universitária da capital e do interior de São Paulo já era muito grande. Eles me procuravam, eu mesmo atendia o telefone e pegava uma Brasília para cantar nos diretórios acadêmicos de todo o estado. Já estava certo de retornar a Irará e trabalhar no posto de gasolina de meu sobrinho. Então, David Byrne me tirou de Irará e me levou para os Estados Unidos e para a Europa.


A cantora paulista Céu divide o palco com você no show do Festival Quanto mais Tropicália melhor, que conta ainda com o grupo carioca Pedro Luis e A Parede e a banda mineira Pato Fu. A nova geração da MPB te entusiasma?
Olhe, Ezra Pound afirma que, quando um país começa a escrever mal, não poderá governar-se dentro de alguns anos. Como os próprios estrangeiros acham a música popular brasileira uma das manifestações culturais mais importantes do país, a julgar pela moçada que vem se sucedendo na composição e no palco o Brasil pode ter força pra anular qualquer tipo de crise. Eu aposto nesses novos músicos.




Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.