Conheça o trabalho do ator Julio Andrade, dividido entre filmes e séries

Julio Andrade se divide entre filmes e seriados. Ao Correio ele diz que os formatos lhe permitem maior aprofundamento

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/09/2017 06:00

Guilherme Maia/Divulgação
 
O gaúcho Julio Andrade é o tipo de ator que ama o cinema. Em sua carreira, ele tem mais de 30 filmes no currículo, entre eles, longas de sucesso como Elis (2016), Reza a lenda (2016), Trash (2014), Gonzaga — De pai para filho (2012), Meu tio matou um cara (2004) e O homem que copiava (2003). Na televisão, ele tem experiência em algumas novelas, mas o forte mesmo sempre foram as séries ou minisséries, outro formato que se tornou um dos favoritos do astro. “Sempre foi um formato que me chamou atenção por ter esse cuidado meio cinematográfico, mas com o texto e a urgência da televisão”, afirma o artista em entrevista ao Correio.
A partir de segunda-feira, Andrade poderá ser visto em dose dupla na televisão e em dois papéis difíceis, em que ele dá vida a anti-heróis bastante humanizados e ligados a temáticas atuais do país. Na tevê aberta, ele interpreta o médico Evandro, um dos protagonistas do seriado Sob pressão. O papel já havia sido feito pelo ator em 2016 no filme homônimo e, neste ano, ganhou as telinhas em novo formato.

Já na tevê fechada, é o retorno do ator à série 1 contra todos, que, a partir das 22h30 nos canais Fox e Fox Premium, terá a exibição da segunda temporada. Na série da televisão por assinatura, o gaúcho volta a interpretar Cadu, advogado que foi preso injustamente após ser confundido com o traficante Dr. do Tráfico. Na nova temporada, Cadu foi inocentando, mas precisa lidar com o desafio de se reinserir no mercado de trabalho e acaba se envolvendo com política. Relembre a estreia da primeira temporada:
 
 

“Essa temporada, o Cadu sai da cadeia e não consegue emprego por ser um ex-presidiário. Ele vai trabalhar na sapataria do sogro, mas aquilo o vai entristecendo. Ele começa a trabalhar em uma ONG (defendendo pessoas que também foram presas injustamente) e começa a dar certo. Ele decide ajudar mais pessoas e envereda para a política se lançando como candidato federal”, adianta Julio Andrade.

Se na primeira temporada 1 contra todos debatia o sistema carcerário, com a chegada da sequência, a produção abordará as entrelinhas da política nacional. “Vamos focar esse ponto também. Mas a segunda temporada terá ainda um tom de humor que a primeira não tinha. Além de ter aquela coisa do Cadu sempre piorando a própria situação. Tem coisas que só acontecem com o Cadu, e tudo isso sob o pano de fundo dos bastidores da política”, completa.

Personagens humanizados


Debater temas atuais também é o que Julio Andrade faz na primeira temporada de Sob pressão. A produção discorre, ao longo dos episódios, sobre assuntos como a falência da saúde no Brasil, suicídio e violência doméstica. Inclusive, essa é uma busca constante do ator em seus trabalhos. “São duas séries que tocam em pontos importantes, têm um cunho político e social, colocam em discussão debates e isso é muito interessante para mim como artista. Vejo minha função dando resultado. A minha busca sempre foi por personagens humanos. Quando o trabalho toca o coração das pessoas, é muito bonito”, define.
 
 

Neste ano, Julio se dedicou mais à televisão. Sob pressão se tornou um dos sucessos da Globo e tudo indica que poderá ser renovado para uma segunda temporada. 1 contra todos, antes mesmo do lançamento da segunda temporada, tem a confirmação da terceira sequência, que começará a ser gravada ainda este mês. “As séries estão tomando conta da minha rotina. Estou com um pouco de saudade de voltar a fazer cinema”, afirma.

Recentemente, o ator estava nas telonas interpretando a Morte em Malasartes e o duelo com a morte e deve voltar às salas de cinema agora apenas em 2018. Ao Correio, ele adiantou que tem duas produções gravadas: Todas as canções de amor, de Joana Mariani, e Paraíso perdido, de Monique Gardenberg, em que atua lado a lado com Erasmo Carlos. “São dois filmes em que faço personagens musicais. Eu toco violão, canto. São personagens mais leves do que ando fazendo”, conta.

1 contra todos
Estreia amanhã, às 22h30, nos canais Fox e Fox Premium. Disponível também no aplicativo do canal.

Quatro perguntas/ Julio Andrade


Como é voltar a interpretar o Cadu em 1 contra todos?
Acho que voltar a fazer um personagem é uma coisa a que você se acostuma. É quase como um espetáculo de teatro. Você muda de lugar, faz a mesma peça, mas nunca é igual. É sempre um pouco diferente. Mas acho interessante, como ator, viver isso. Apesar de lidar com a saudade do cinema...

Como você tem recebido a boa repercussão do público em relação a seu papel em Sob pressão?
Acho que não é só comigo... É uma experiência supercarinhosa e respeitosa com meu trabalho. Algumas pessoas se emocionam vendo Sob pressão. O Evandro é um personagem pseudo-herói. Tem essa coisa de as pessoas se identificarem com ele. Isso está sendo superlegal. Dá uma visibilidade maior. A resposta é superpositiva.

Você falou que estará nos cinemas em dois filmes musicais. Como é a sua relação com a música?
Eu toco desde muito novo. Toquei em barzinhos, já tive banda e até hoje tenho um estúdio na minha casa. Eu e meu irmão, a gente continua tocando às vezes.

Você está no elenco de Elis, que é um dos filmes brasileiros que podem concorrer à vaga do Brasil no Oscar. Como recebeu isso?
Olha, eu nem sabia. Que legal! É um filme que representa uma artista muito importante e que eu tenho muito carinho de ter feito. Tomara que consiga. Foi ótimo trabalhar com Andreia Horta, que é minha irmã.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.