Chef famosa abandona estande no Rock in Rio após ter alimentos descartados

80 quilos de queijo e 80 kg linguiça foram jogados fora da estande de Roberta Sudbrack por não apresentar selo exigido pela Vigilância Sanitária

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/09/2017 10:20 / atualizado em 16/09/2017 15:35

A vigilância sanitária do Rio de Janeiro invadiu o meu estande no Rock in Rio com quase 15 pessoas e decretou que os queijos brasileiros, bem como a charcutaria brasileira da melhor qualidade, meus fornecedores há pelo menos 20 anos, não são bons o bastante para comercialização. Sem nenhum bom senso ou razoabilidade, jogaram fora mais de 80kg de queijo dentro da validade, assim como 80kg de linguiça fresca e previamente aprovada pelo controle do evento Rock in Rio. Todos inspecionados pelos órgãos sanitários dos seus Estados. O motivo? Faltava 1 carimbo, um selo, uma coisa qualquer. Estou fechando a minha operação no Rock in Rio porque a minha ética, o meu profissionalismo e as minhas convicções não me permitem ver uma cena dessas. Comida da melhor qualidade sendo jogada fora enquanto tantas pessoas morrem de fome no mundo. O meu prejuízo provavelmente é do tamanho desse mesmo mundo, mas minha dignidade e as minhas crenças são maiores! POR FAVOR COMPARTILHEM! ME AJUDEM A SALVAR A DIGNIDADE DA GASTRONOMIA BRASILEIRA! Mas não compartilhem pouco. Por favor COMPARTILHEM MUITO! Estou entrando com uma liminar na justiça para salvar o restante de toda a mercadoria que temos em estoque para que possamos pelo menos doar a quem precisa. E me comprometo não só a doar, mas preparar essa comida da melhor qualidade e da qual eu me orgulho de servir há mais de 25 anos para quem precisa. Por favor compartilhem! Obrigada %uD83D%uDE4C%uD83C%uDFFC

Uma publicação compartilhada por Roberta Sudbrack (@robertasudbrack) em

A chef Roberta Sudbrack, que era um dos principais nomes da área gourmet do Rock in Rio, saiu do festival em seu primeiro dia de trabalho, depois que a Vigilância Sanitária apreendeu mais de 80 kg de queijo e 80 kg de linguiça que, segundo ela, estavam dentro da validade e apenas não tinham um selo exigido pelos agentes para a liberação. A chef afirmou que acionará a Justiça para resguardar seu estoque.

Roberta ficou indignada e divulgou o episódio nas redes sociais. "A Vigilância Sanitária invadiu meu estande no Rock in Rio com quase 15 pessoas e decretou que os queijos brasileiros, bem como a charcutaria brasileira da melhor qualidade, meus fornecedores há pelo menos 20 anos, não são bons o bastante para comercialização". A chef acrescentou que os agentes agiram sem bom senso e que os alimentos haviam sido aprovados pelo controle do festival e órgãos de inspeção do Estado.
Roberta Sudbrack (C) publicou uma foto dias atrás comemorando a presença no Festival


E chef disse que saiu com enorme prejuízo, e que decidiu desistir do Rock in Rio em nome de sua "ética é profissionalismo". E ainda que não suportou ver "comida da melhor qualidade sendo jogada fora" enquanto tantas pessoas passam fome. "Ajude a salvar a dignidade da gastronomia brasileira!", pediu.

Uma das chefs mais prestigiadas do Rio, Roberta Sudbrack ficou conhecida em todo o Brasil quando comandou a cozinha da Prefeitura da República no governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2003). 

Vigilância Sanitária 

A Vigilância Sanitária municipal do Rio de Janeiro afirmou que o estabelecimento Sudbrack Gastronomia, da chef Roberta Sudbrack, que era um dos principais nomes da área gourmet do Rock in Rio, sofreu sanções com base na legislação nacional, conforme a lei 7.889 de 23 de novembro de 1989. Em nota, o órgão disse que técnicos encontrarem alimentos que não possuíam registro para comercialização dentro do município do Rio de Janeiro, o Serviço de Inspeção Federal (SIF)".

Segundo o texto, os 160 quilos de alimentos irregulares que seriam disponibilizados imediatamente à população foram impedidos de serem comercializados. "Já os 850 kg de alimentos encontrados no local de estoque, fora da área do evento, foram lacrados para impedir a comercialização". 

O órgão fiscalizador informou que será encaminhado um ofício ao Ministério Público para que seja definido o destino desses alimentos, "que entraram de forma ilegal no município". A Vigilância destacou que Roberta Sudbrack não foi proibida de comercializar alimentos nos próximos dias de evento, desde que adquira produtos adequadamente registrados.

"De acordo com o artigo 4º da lei 7.889, de 23 de novembro de 1989, apenas produtos oriundos de estabelecimentos registrados pelo Ministério da Agricultura estão habilitados ao comércio interestadual e internacional. No estabelecimento Sudbrack Gastronomia foram encontrados produtos de origem animal (linguiça e queijo) sem os devidos registros. Segundo o artigo 12 do decreto 6235 de 30 de outubro de 1986, todo alimento só deve ser exposto ao consumo se estiver devidamente registrado em órgãos competentes."

A Vigilância afirmou que, antes do Rock in Rio, foram realizadas três grandes reuniões com todos os fornecedores e uma reunião específica com os fornecedores de alimentos, para orientação quanto às regras de conduta. 

Nota oficial do Rock in Rio. A organização do Rock in Rio informa que é responsável pelo mix de produtos oferecido ao público, garantindo uma oferta variada. Fica a cargo das marcas o cumprimento das normas previstas pelos órgãos competentes. 

O Rock in Rio diz lamentar o ocorrido e a saída da Roberta Sudbrack do evento. A Operação do Gourmet Square foi ontem, segundo o evento, um sucesso, com atendimento a mais de 14.3mil pessoas. A média de espera de atendimento foi de apenas 10 minutos e a administração do espaço foi feita com tranquilidade, preservando o conforto do público. 

A Gourmet Square tem a operação de chefes como Pedro Benoliel e Ogro Jimmy e dos restaurantes Açougue Vegano, Famiglia Rivitti, Di Blasi, On Japa, SertaNorte, Gouranga Veggie, Melhor Pastel do Mundo, Feijú do Benola, Botero, Deli Delícia, Bar Central e Karaage Chicken Gourmet.

 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.