Ben Affleck é acusado de assédio e conivência no caso de Harvey Weinstein

O ator havia publicado nota em repúdio ao caso Harvey Weinstein, em que disse ter ficado 'triste' e 'furioso' com a situação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/10/2017 12:15

ALAIN JOCARD/AFP

Acompanhando a enxurrada de manifestações de atores, produtores e diretores de cinema em relação ao caso Harvey Weinstein, Ben Affleck publicou na terça-feira (10/10) em sua página do Facebook, uma nota de repúdio ao comportamento do produtor. Na postagem, o ator disse estar "triste" e "furioso" com a situação e afirmou estar buscando formas de "garantir que isso não acontecerá novamente com outras pessoas". A fala de Affleck, no entanto, não foi bem recebida: atrizes e público o acusaram de hipocrisia, relembrando um caso de assédio protagonizado pelo ator.


Em 2003, durante a gravação do programa Total Request Live, exibido pela MTV, Affleck apalpou os seios da atriz Hilarie Burton, à época com 21 anos. No vídeo, disponível na internet, Affleck abraça a atriz pelas costas, aproveitando a situação para tocá-la sem consentimento.

A usuária do Twitter que trouxe o caso à tona afirmou que "todo mundo" havia esquecido o episódio. Ao ler o tweet, Hilarie Burton respondeu: "Eu não esqueci". Burton divulgou um trecho do vídeo e elogiou a valentia das mulheres que denunciam casos de assédio. "Meninas, eu fico impressionada com a coragem de vocês. Na época, eu precisei rir para não chorar", escreveu.

A atriz Rose McGowan, uma das vítimas de assédio de Weinstein, também criticou duramente a manifestação de Ben Affleck. "Ben Affleck, vá se ferrar", escreveu no Twitter. "Você disse na minha cara que havia dito para Weinstein parar de fazer 'aquilo'", afirmou. Ben Affleck não respondeu à acusação de McGowan, mas fez um breve pedido de desculpas a Burton: "Eu agi de forma inapropriada em relação à sra. Burton e peço desculpas sinceras", escreveu.

Entenda o caso


Na semana passada, o jornal The New York Times publicou uma reportagem investigativa que acusa Weinstein de cometer uma série de assédios sexuais contra atrizes, assistentes e empregadas temporárias. A publicação afirma que o produtor fez ao menos oito acordos financeiros com mulheres durante os trinta anos em que foi confrontado com acusações de assédio sexual e contato físico indesejado. Segundo o veículo, dezenas de funcionários de Weinstein afirmaram ter testemunhado condutas inapropriadas do produtor enquanto trabalhavam para ele.

Em resposta, Weinstein escreveu na última quinta-feira uma declaração ao jornal The Times, na qual afirmou estar ciente de que seu comportamento "causou muita dor" à colegas "no passado". "Eu sinceramente me desculpo por isso. Ainda que eu esteja tentando ser melhor, sei que tenho um longo caminho pela frente", escreveu. Em razão das denúncias, Weinstein foi demitido de sua própria produtora no último domingo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
ercilia
ercilia - 13 de Outubro às 01:20
As pessoas tem que entender que qualquer abuso sexual, por mais "insignificante" que seja, jamais é esquecido pelas vítimas, são sequelas que geram consequências intermináveis, uma delas o suicídio. É, uma simples passadinha de mão poder causar o suicídio, entendam isso.